Como vinho

Sabe aquelas vozes que ficarão marcadas para sempre. Assim é a voz do colega José Santos que está completando hoje, 60 anos mais de quarenta deles dedicados ao rádio maranhense.

Ao falar com o Zé, hoje cedo, ele me disse: “Estou entrando para o rol dos idosos”.

Sabe o Zé que a idade é apenas um pequeno detalhe diante do enorme trabalho que ele vem prestando ao longo dos anos aos maranhenses. Que mais velho, nada Zé. – quanto mais velho melhor!

Começei a ouvir o Zé Santos nos anos oitenta, quando ainda estudante do 2º grau, acompanhava os programas que ele fazia no rádio, mas foi em 2000, quando cheguei à Rádio Mirante AM que passei a ter o privilégio da sua amizade.

Os anos se passaram e a voz do Zé continua exatamente a mesma que aprendi a respeitar. Eu e milhares de ouvintes, em especial aqueles que aos domingos acordam bem cedo para ouvir o Clube da Saudade, o xodó do Zé. E não posso esquecer das palavras cruzadas, outra paixão dele.

Antes de terminar, gostaria de dizer que o Zé é daqueles profissionais que dignificam e levam mais longe o nosso rádio. E apesar de ter entrado para ‘o rol dos idosos’, como ele mesmo define é sempre um prazer ouví-lo e melhor ainda quando você tem um colega desses que sempre pode te ensinar mais.

Parabéns!!!

Publicidade

Casa cheia

Enfim, as coisas parecem que estão melhorando para o futebol da capital. Moto e Sampaio já garantiram vaga na semifinal do 1º turno, juntamente com o Imperatriz (atual campeão maranhense). O MAC ainda terá três jogos pela frente e também deverá confirmar a sua classificação.

Não lembro de ter visto uma semifinal com as quatro maiores forças do nosso futebol. Os matemáticos Manoel Martins e Amaral poderão me socorrer nessa. Nos últimos anos, há sempre uma equipe intermediária no caminho, mas dessa vez, acredito que será diferente.

No primeiro semestre, por exemplo, as duas maiores forças do nosso futebol ficaram fora da fase final da Taça Cidade de São Luís. Agora, a presença de Moto, Sampaio, Imperatriz e possivelmente do Maranhão na semifinal do 1º turno é a garantia de retorno do público aos estádios.

E já neste domingo poderemos ter uma idéia do que pode acontecer. Moto e Sampaio estarão decidindo quem será o primeiro colocado na fase de classificação. O Papão é o líder com 17 pontos e o Tubarão vem de cinco vitórias consecutivas. Por isso, vamos torcer para um outro bom jogo como foi o clássico entre Moto e MAC.

E vamos ao estádio!!!!!

Publicidade

O “velho” Chico

A vida do brasileiro é repleta de velhos Chicos! Há o Velho Chico, rio bem brasileiro, que se deixa navegar por carrancas, mas não tem medo de cara-feia. Pelo contrário, sorri e dá vida e frutos aos ribeirinhos. Flui nas veias do Nordeste! O lendário Chico, o “Rei”, príncipe africano feito escravo, que com afinco e esperteza conquistou a liberdade de seu povo, e o respeito de seus algozes, na Vila Rica de outrora.

O Chico Mineiro, boiadeiro e violeiro, velho e inseparável companheiro de viagem, imortalizado nas vozes de Tonico e Tinoco. Tinha, também, o velho e saudoso Chico, o Xavier, que espalhava sua luz espiritual, desde Uberaba, a provar que Minas Gerais pode ter tesouros bem mais valiosos sobre a terra, que debaixo dela.

O Chico “Rei da Voz”, o Alves, que também era “Viola”! Partiu, não tão velho, nos anos de 1950, vítima de um acidente, de carro e do destino. O Chico da Amazônia, o Mendes, que não morreu de velhice, mas, por causa do velho problema da terra. Todos, seguramente, deram muito mais do que receberam, pelo que, com certeza contam com as bênçãos de outro Chico, o santo de Assis, italiano de nascimento, mas universal, pelo amor.

Mas há mais um Chico, que já passou dos sessenta, embora custe a acreditar. Nasceu no berço da cultura, cresceu no universo das artes, eruditas e populares, e nelas continua a deixar sua marca inconfundível. Diz a lenda que, um dia, num distante 1965, Chacrinha, o “Velho Guerreiro”, o “buzinou”! Também acharam que Einstein era “limitado”, no princípio…

Mas ele também mostrou ser guerreiro e não desistiu da luta. Primeiro, cronista, e, já, compositor, foi num Festival da Record, em 1966, que eu “estava à toa na vida”, quando, no início, Nara Leão, e, depois, ele mesmo, defenderam “A Banda” contra a “Disparada”, de Vandré. A contenda ficou empatada, mas não a MPB, que viu o início de uma de suas mais profícuas safras de artistas, e a consolidação de um de seus maiores expoentes: Um jovem tímido e simples; de voz pequena, mas alma imensa e intensa; predestinado, por um “anjo safado, um chato dum querubim”, a ser tão bom assim! Culto, não se deixou cair na armadilha da arrogância. Buscou o povo em vez de distanciar-se dele na intelectualidade vazia.

Como Villa-Lobos buscou na erudição instrumentos para expressar a arte popular e o amor por seu país, mesmo quando estava distante dele, por força da “força”. Crônica, música, teatro, cinema, literatura… Parece não haver limites para a sua verve! E sempre com presença marcante, com ou sem suas maravilhosas parcerias: Vinícius, Tom, Francis Hime, Ruy Guerra, Paulo Pontes, Edu Lobo, Leonel Paiva, “Julinho da Adelaide” (“Você não gosta de mim, mas sua filha gosta!”)… Gozador! Se fossem contemporâneos com certeza também comporia com Noel Rosa e Ary Barroso!

Esse Chico, o Buarque, é “de Hollanda”; viveu exilado na Itália, mas poucos são tão brasileiros em atos, palavras e músicas como ele! Sua arte é uma exaltação pura, apaixonada e sem censura à cultura nacional, mesmo quando “Joga m… na Geni!”.

Antes ele, musicalmente, nela, que outros, politicamente, no Brasil… É… Esse Chico de velho não tem nada! Sua eterna juventude só pode ser explicada pela Teoria da Relatividade, do mesmo Einstein que também foi “buzinado” no início de carreira: O tempo passa, mas ele parece estar sempre adiante dele!

Recebi este artigo do Adilson Luiz Gonçalves – Escritor, Engenheiro e Professor Universitário (UNISANTOS e UNISANTA) Cursando Mestrado em Educação – UNISANTOS Autor do livro: “Sobre Almas e Pilhas” http://www.algbr.hpg.com.br

Publicidade

De olho na telinha

Muito diferente da chatice do Horário Eleitoral Gratuito, a TV Mirante inicia hoje, mais uma rodada de entrevistas com todos os candidatos ao Governo do Maranhão. As entrevistas vão acontecer dentro do JMTV 2ª edição, antes da novela das sete.

Os cinco candidatos mais bem colocados na última pesquisa divulgada pelo Ibope/TV Mirante terão seis minutos de entrevista. Os outros três candidatos também serão entrevistados, mas terão apenas três minutos.

O candidato Jackson Lago, da Frente de Libertação do Maranhão será o entrevistado de hoje. De acordo com o sorteio realizado na semana passada, a ordem das entrevistas será a seguinte:

Jackson Lago – Segunda-feira, dia 11/09 – 6 minutos
Aderson Lago – Terça-feira, dia 12/09 – 6 minutos
Marcos Silva – Quarta-feira, dia 13/09 – 6 minutos
Roseana Sarney – Quinta -feira, dia 14/09 – 6 minutos
Edson Vidigal – Sexta-feira, dia 15/09 – 6 minutos
Doutor Aragão – Sábado, dia 16/09 – 3 minutos
João Bentiví e Saturnino – Segunda-feira, dia 18 – 3 minuto (cada candidato)

Vamos ficar bem atentos!!!

Publicidade

Deu na Folha de São Paulo

Desafiado, Alckmin tenta interceptar caravana da Globo.

“Jornal Nacional” propôs a candidatos que percorressem estrada BR-316 no Maranhão, considerada a pior do país.

Tucano não conseguiu se encontrar com equipe da TV, mas gravou imagens que deverão ser exibidas hoje em seu programa eleitoral.

Correndo contra o tempo para tentar reverter a vantagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa pela Presidência, o tucano Geraldo Alckmin cancelou compromissos de campanha em São Paulo ontem para, ainda na madrugada, lançar-se em uma empreitada: interceptar a caravana do “Jornal Nacional” (TV Globo) e gravar um programa eleitoral naquela que é considerada a pior estrada do país.

Na noite de anteontem, Alckmin e seu marqueteiro, o jornalista Luiz Gonzalez, viram na TV a caravana do “JN” desafiar os candidatos a percorrerem trechos da BR-316, no interior do Maranhão. Ontem, o jornal voltou a exibir reportagem sobre a estrada.

A dupla imediatamente começou a se movimentar para chegar até o local o mais rapidamente possível e, de preferência, interceptar a caravana, que viaja em um ônibus adaptado pela emissora e comandado pelo jornalista Pedro Bial.

Por volta das 5h de ontem, Alckmin, de avião, rumou para o Maranhão. Em São Luís, ele conseguiu que um helicóptero o transportasse até a estrada, que acabou sendo percorrida pelo tucano e sua comitiva.

As imagens deverão ir ao ar no programa eleitoral de hoje à noite, junto com as propostas do tucano para o setor.

O presidenciável, no entanto, não conseguiu interceptar a caravana jornalística.
A “epopéia” de Alckmin foi mantida em sigilo pela assessoria de comunicação da campanha durante todo o dia de ontem. Segundo os assessores do candidato, ele estava gravando cenas do programa, mas em um estúdio de São Paulo.

A reportagem é de José Alberto Bombig.

Publicidade

Para reflexão

Em certa ocasião, houve uma enchente muito grande m um povoado que ficava abaixo do nível do rio. Neste povoado morava um sujeito extremamente cristão e temente a Deus.

As águas começaram a subir assustadoramente a ponto de encobrir as casas, todos os moradores começaram a abandonar a região, menos ele.

Quando a água atingiu sua casa, ele subiu para o telhado e ficou aguardando.

Passou um cidadão nadando com uma bóia nas mãos e disse:

Venha comigo que ajudo a te salvar, vamos..

Ele disse: não se preocupe, Deus vai me salvar.

O rapaz insistiu, mas foi em vão, então, seguiu nadando para tentar salvar outras pessoas.

Logo após passou um rapaz em um barco e disse também:

Venha que vou ajudá-lo.

Ele disse: não se preocupe, Deus vai me salvar.

O rapaz insistiu, mas também foi em vão, então também partiu para salvar outros moradores em perigo.

Por fim passou um Helicóptero e o piloto gritou:

Venha você vai morrer, vou salvá-lo.

Ele, firme, resistiu, não se preocupe, pois Deus vai me salvar.

O piloto insistiu e, vendo a recusa do cidadão e o perigo eminente partiu para socorrer outros moradores.

A água subiu, cobriu o telhado e o cidadão morreu afogado.

Chegando ao Céu foi recebido por Deus.

Ele reclamou: Senhor, fui tão dedicado a fé, acreditei tanto no Senhor e, quando precisei, deixou que morresse.

Deus então disse: Meu filho, mandei para te salvar um rapaz nadando, um barco e por fim um Helicóptero, não quiseste, infelizmente, não pude evitar.

Quanta vezes Deus nos dá a chance de nos salvar-mos, de encontrar um outro caminho e, cegos em nossas convicções, as ignoramos.

Pense nisso.

* Recebi esta mensagem da Fernanda Rufino e gostaria de deixá-la aqui para nossa reflexão.

Publicidade

Revolta geral


Não se fala em outra coisa. A reportagem do Pedro Bial mostrando que as piores estradas do planeta estão no Brasil e a pior estrada do país fica no Maranhão é assunto em todas as rodas de amigos.

No rádio, ouvi durante todo o dia de ontem, a opinião de maranhenses indignados com a situação da BR-316, como destacou o Jornal Nacional.

Como escrevi na quinta-feira, sabia que a repercussão seria enorme, afinal a reportagem foi mostrada para todo o Brasil. Por isso, ontem mesmo, o Denit já informou que a estrada será recuperada em um ano.

Leia o texto da reportagem de Pedro Bial: A Caravana JN enfrentou, ontem, uma provação no Nordeste brasileiro. Antes de partir para uma viagem, a equipe de Pedro Bial soube que encontraria pela frente, simplesmente, a pior estrada do Brasil. A pior estrada – de um país que tem algumas das piores estradas do planeta. É esse prodígio que a Caravana JN tem o desprazer de apresentar agora.

Como fazer 200 quilômetros em nove horas e meia? Voz oficial do poder público, o Dnit (Departamento Nacional de Infra-estrutura) diagnistica: a BR-316 é a pior estrada do Brasil. Não, para ser mais preciso esse trecho da BR-316 é só uma caricatura, sem graça, das estradas e da infra-estrutura do Brasil. Ah, outra piada de mau-gosto: posto fiscal.

Impossível andar a mais de 30 quilômetros por hora. De excesso de velocidade aqui não se morre, só que os assaltantes atacam a pé a qualquer hora do dia e da noite.

Uma hora e 25 minutos de viagem e 26 quilômetros percorridos. Os homens agüentam. As máquinas, não.

– O que aconteceu com seu caminhão?

– Pifou o rolamento.

– E agora para vir socorro, como faz?

– Só na rede, né?

Pode demorar.

“Eu estou aqui desde sábado. Ninguém passou aqui para me socorrer”, reclama um caminhoneiro.

Um caminhoneiro teve uma boa idéia. É de terra. Melhor.

Têm suas vantagens. Se o ilustre passageiro cansar do sacolejo, ele pode ir caminhando, se exercitando. A velocidade é a mesma do ônibus.

Somos saudados por gritos: “Mostra a vergonha do Brasil!”, “Mostra onde foram parar nossos impostos!”. Olha as placas de sinalização, os olhos de gato, as faixas no asfalto. Olha o asfalto. Olha a única estrada federal que liga o Maranhão ao Pará.

Advinha qual é o desejo desse povo: SOS.

Vamos começar a contar os dias a partir de hoje. Até 8 de setembro de 2007, vamos ficar atentos para o cumprimento dessa que parece ser mais uma promessa de campanha.

E você acredita na recuperação da BR-316? Qual é a sua opinião?

Publicidade

A vergonha nacional

E a Caravana do Jornal Nacional chegou ao Maranhão. E Chegou mostrando a cara de indignação do jornalista Pedro Bial. Ele parecia perplexo com a situação das estradas que cortam o Maranhão. Para quem mora aqui ou todo dia precisa utilizar as nossas estradas nenhuma novidade. Apenas a certeza que, a partir de agora, uma vez que a televisão mostrou para todo o país, esse nosso velho e grave problema poderá vir a ser resolvido.

Leiam o que o Bial relatou durante a sua passagem aqui: “No município de Zé Doca, no interior do Maranhão, depois de cinco horas de viagem, conseguimos avançar pouco mais de 60 quilômetros, o que dá uma média de 12 km/h. Pense no drama dos caminhoneiros, dos profissionais da região que precisam usar essa estrada todos os dias. Se fosse de terra, a estrada seria melhor. Trata-se de uma sucessão de crateras traiçoeiras. A rigor, não dá nem para chamar esse trecho da BR- 316 de estrada. Estrada isso não é. Durante todo o percurso, nós ouvimos apelos e gritos vindos da beira da estrada, de ônibus, caminhões, automóveis dizendo: “Mostra. Mostra essa vergonha na Globo”.

Ele teve que viajar pela BR-316, apontada pelo Denit, o Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes, como a pior estrada do Brasil. Uma vergonha nacional.

O Jornal Nacional prometeu mostrar a reportagem completa na edição desta sexta-feira (8) e deixou uma sugestão aos candidatos à presidência: fazer essa viagem. Seria, no mínimo, didático. Agora, torçam para que não chova, pois quando chove, a BR-316 vira um longo atoleiro.

E você viu a reportagem do Jornal Nacional? O que achou? Teria a coragem de fazer a mesma viagem?

Publicidade

É muita falta de comando

Virou brincadeira a tabela do 1º turno do Campeonato Maranhense. Hoje se divulga uma coisa e no dia seguinte não vale mais nada. Tudo começou com o problema do Sampaio que demorou na definição da sua participação no Estadual. Passada essa fase, o time Tricolor começou a jogar e não parou mais e esse foi um problema a menos.

Tivemos também a questão dos jogos do Maranhão. A prioridade teria que ser mesmo o Campeonato Brasileiro Série C. Alguns jogos foram adiados e por isso, o MAC fez apenas quatro partidas.

Pior mesmo foi o Americano. O time que foi rebaixado no ano pasado e voltou com a conivência dos clubes e da FMF. Caiu para a segunda divisão, mas conseguiram dar uma outra interpretação no regulamento e a equipe continuou na divisão principal.

Anunciaram que o Americano jogaria em Bacabal, depois em São José de Ribamar, acabou jogando em São Luís e depois iria para Palmeirândia e agora já vai jogar em São Luís de novo. Deu para entender? Não. E não era para menos. Resultado: os jogos do Americano são adiados todos os dias. E estamos apenas no primeiro turno. Tenho que lembrar também que o Santa Quitéria já fez todos os seus jogos, enquanto as outras nove equipes ainda entrarão em campo

A FMF não faz nada. Aliás faz, um clube chega, pede o adiamento e tudo bem. para um futebol só. O torcedor que paga ingresso cada vez mais se afasta dos estádios. Não sei quando isso vai terminar, mas acredito que, com a entrada do Nilson Takashi, no departamento técnico a bola poderá rolar sem maiores problemas.

Publicidade

Nas ondas do rádio

Tenho ouvidos as nossas FMs nestes últimos dias e confesso que alguma coisa errada está acontecendo. Está tudo muito parecido. Como ouvinte, corro o dial para lá e para cá e… acabo tendo que ouvir um bom CD no carro ou em casa.

Antes de escrever sobre este assunto procurei de conversar com o produtor e pesquisador musical Pedro Sobrinho.

O Pedrinho me disse: “Eu acho um absurdo. Você fica sem opção. Eu não acho legal. Você ouve uma é reggae, ouve outra e a terceira também. Os programas deveriam acontecer em horários diferentes. À tarde seria o melhor horário. Eu não sei se o ouvinte da noite quer ouvir esse tipo de música, além disso os programas são muito parecidos”.

Tenho exatamente a mesma opinião do Pedro Sobrinho. Não estamos dizendo que esse ou aquele tipo de música é melhor. Apenas constatamos que está tudo muito igual. Não vou entrar na discussão besta que sempre ocorre aqui sobre o reggae. Poderia dizer o mesmo em relação aos domingos pela manhã. O dial é tomado pelo samba ou ainda sobre os horários de flashback que se multiplicam no dial das FMs. E aí vão dizer também que não gostamos de samba ou de flashback, enfim que não entendemos e gostamos de música.

Não é nada disso. Acho que tudo demais acaba enchendo saco. Gosto de um rádio que me faça companhia e de preferência boa companhia. Mas para que eu possa ter uma idéia melhor sobre tudo isso gostaria de conhecer a sua opinião. Você concorda comigo ou estou completamente errado?