Banner

CASTELÃO

De olho na Copa de 2014

Que o Brasil é o principal candidato a sede da Copa do Mundo de 2014 todo nós já sabemos. E de olho na principal competição de futebol do planeta, as autoridades do Maranhão começam a se movimentar alimentados pelo sonho de quem sabe ser escolhida pela Fifa como uma das sedes do mundial.

O primeiro passo será dado hoje. O governador Jackson Lago estará visitando o abandonado Estádio Castelão juntamente com a sua equipe da Secretaria de Esportes e de Infra-Estrutura.

A total recuperação do maior palco do futebol no Maranhão seria uma das prioridade do novo governo, contrariando a visão pequena daqueles que defendem a tese de que o nosso futebol não tem público e não merece um grande estádio.

Quero lembrar que o Gigante Castelão já foi pequeno um dia. Além disso é um patrimônio público que aos poucos está se desmanchando por total falta de compromisso com as causas do esporte.

A última partida realizada com a presença de público foi no dia 17 de março de 2004. O jogo realizado foi Sampaio e Vitória-BA, pela Copa do Brasil. De lá para cá, o público não sabe o que é futebol no Castelão.

Com a recuperação do Castelão e um maior incentivo aos nossos clubes, acredito que poderemos sonhar também com um representante na primeira divisão do futebol brasileiro a exemplo do que aconteceu recentemente com o Pará, Ceará e agora o Rio Grande do Norte.

Acho que com isso poderá chegar a nossa vez!!!!

Publicidade

PRATA DA CASA

Novo time do Sampaio valoriza atletas maranhenses

A torcida pediu e a diretoria do Sampaio atendeu. O novo time Tricolor que estréia na Taça Cidade neste domingo, às 17h, contra o Imperatriz, no Estádio Nhozinho Santos é praticamente todo formado por jogadores maranhenses.

A começar pelo técnico Vinícius Saldanha e o preparador físico Izone Carvalho que é cearense, mas sempre trabalhou por aqui, o time que enfrentará o Cavalo de Aço terá dez atletas maranhenses, apenas o goleiro Gustavo veio de fora.

O provável time da estréia deverá ser: Gustavo, Gustavo, Pablo, Ramirez, Robinho e Vagner; André Ramos, Tim Marcos e Raí; Ari, Serginho e Dilton.

Acostumado a trazer muitos jogadores de fora, o Sampaio inicia a temporada liderando o ranking dos times com menor número de importação de atletas.

A diretoria apostou na prata da casa. Agora cabe à torcida acreditar e apoiar no Tubarão bem maranhense.

Publicidade

NOVELA

Moto quer o goleiro do Imperatriz

A contratação do goleiro Rodrigo Ramos (Imperatriz) virou uma verdadeira novela no Moto. A diretoria de futebol trabalhou rápido na montagem da equipe para a estréia na Taça Cidade, mas ainda não conseguiu confirmar a contratação do substituto de Flaubert que está no Santo André-SP.

O namoro é antigo. E pelas informações que apurei entre o Moto e o goleiro Rodrigo Ramos já estaria tudo acertado, mas faltando apenas quatro dias para o início da Taça Cidade, o xodó da torcida cavalina ainda não se apresentou ao técnico Arlindo Azevedo. Falei com o próprio jogador por telefone. Ele não quis confirmar se recebeu ou não a proposta rubro-negra, mas também não afastou a posibilidade de transformar o namoro em casamento. Há quem aposte também no interesse do Moto por dois excelentes ex-goleiros do Sampaio: Juninho e Raniére.

Sem Rodrigo, o Moto está praticamente pronto para a estréia na Taça Cidade contra o Bacabal, no próximo domingo (21), às 17h, no Estádio Correão. O goleiro titular será o garoto Marabá que até chegou a iniciar a temporada 2006 como o nº 1 do Papão. O time terá como novidades os retornos de Luís Fernando e Jean Marcelo (zagueiros), Lúcio (lateral-esquerdo), Cacá (volante) e Paulo César (meia).

Publicidade

TAÇA CIDADE

Começa a briga por duas vagas na Série C

A bola vai rolar a partir deste domingo (21) na abertura da temporada 2007 para o futebol maranhense. De saí teremos a Taça Cidade de São Luís. A competição irá indicar os dois representantes maranhenses no Campeonato Brasileiro da Série C.

Serão oito equipes. Incluíndo o estreante na Nacional (de Santa Inês) e o Bacabal que retorna a disputar uma competição oficial da FMF. Os outros participantes são: Moto, Sampaio, Imperatriz, Comerciário, Chapadinha e Santa Quitéria.

Faltou alguém?

Sim, o grande ausente será o Maranhão Atlético Clube. O campeão da Taça Cidade de São Luís em 2006 desistiu de participar da competição por falta de condições financeiras e por isso terá que aguardar o segundo semestre quando deverá ser disputado o Campeonato Maranhense. Isto se as coisas melhorarem para as bandas do Parque Valério Monteiro.

Antes mesmo de começar a temporada tivemos que acompanhar o problema provocado pela tabela apresentada pela FMF. Nenhum clube gostou.

Sampaio e Moto que são os principais clubes da capital abririam a competição jogando fora de casa. São Luís teria como atração na abertura o modesto Comerciário. Ainda bem que os dirigentes conseguiram mudar a primeira rodada.

Mas os erros na tabela continuam. Tem clube fazendo três jogos seguidos em casa. Outros farão quatro partidas fora. É só esperar a bola rolar que a chiadeira será geral. Mas aí já será tarde. E vamos com a tabela do jeito que está até porque todo mundo sabe que a FMF não consegue sequer fazer uma tabela.

Fora de campo os clubes tentam se reforçar para o início da Taça. O Moto manteve a base que conquistou o Campeonato Maranhense e ainda foi buscar Paulo César e Cacá, no MAC e Jean Marcelo e Lúcio, no Santa Quitéria. O Sampaio monta uma equipe à base de atletas maranhenses sob o comando de Vinícius Saldanha (técnico) e Izone Carvalho (preparador físico).

O Imperatriz contratou o conhecido técnico Wladimir Araújo com passagem por várias equipes que disputam a Série B do Brasileirão. O Bacabal aposta no técnico Meinha e na base do time do MAC. O Chapadinha terá mais uma vez o técnico Paulo Cabrera que levou a equipe à final do 2º turno do Estadual contra o Sampaio.

Enfim, estes são alguns atrativos neste início de temporada. E nós estaremos aqui acompanhando mais uma vez todos os detalhes.

Publicidade

INTERNET

Países emergentes pedem que se mude a forma de controlar a Internet

A possibilidade de levar o controle da Internet para uma entidade mundial minimamente isenta e tirar o controle da norte-americana Icann (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers) foi descartada pela ONU. Segundo especialistas, o governo norte-americano tem controle demais sobre a Icaan e sobre a Internet, por conseqüência.

Países como o Irã, Brasil, Índia, China e outros emergentes pedem que a forma de governar a Internet seja democratizada e não fique nas mãos de uma nação específica. A Icann administra atualmente o sistema de endereços e nomes de domínio da Internet. A agência se apresenta “isenta de fins lucrativos”.

Além disso, ela se reporta apenas ao Departamento de Comércio dos Estados Unidos, que em setembro passado anunciou que manteria poder de supervisão sobre a empresa por mais três anos.

O novo secretário-geral da União Internacional de Telecomunicações (UIT), Hamadoun Touré, anunciou que sua agência – ligada à ONU – não tem intenção de passar a administrar a rede e acredita que a criação de um novo fórum geraria controvérsias.

Ele confirma que “as questões levantadas pelo Brasil precisam ser analisadas, talvez por um acordo internacional. Mas não acredita que a UIT seria o local para isso ser tratado”. Ele acredita que sua organização nem mesmo teria os recursos necessários para governar a Internet. A agência tem 191 países membros e 640 membros vinculados ao setor privado.

Fonte: Coletiva.net

Publicidade

JORNALISMO

Concurso da ONU premia textos jornalísticos

A ONU vai premiar jornalistas da América Latina e do Caribe que escreverem matérias sobre assuntos relevantes relacionados aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Pobreza, fome, educação, desigualdades de gênero, mortalidade infantil, saúde materna, combate a Aids e outras doenças são os principais temas envolvidos nos ODM. Ao todo serão distribuídos US$ 8,5 mil em prêmios.

A inscrição para o prêmio deve ser encaminhada até o dia 15 de julho por e-mail ou correio. Poderão participar crônicas, entrevistas e reportagens produzidas em português, espanhol, inglês ou francês, que tenham sido publicadas em algum meio impresso da América Latina ou do Caribe entre 1º de outubro de 2006 e 30 de junho de 2007.

Serão escolhidos os melhores trabalhos que abordaram as causas e soluções para os problemas apontados pelos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio, que são uma série de metas socioeconômicas que deverão ser cumpridas pelos países que compõem a ONU até 2015. O resultado do prêmio será anunciado até 1º de outubro de 2007.

Fonte: Coletiva.net

Publicidade

VIAGEM

Estou de volta após as férias

Após as minhas férias estou voltando hoje. Estive no Ceará e conheci um lugar muito legal chamado Camocim. Também passei por Fortaleza. Durante o meu retorno a São Luís, constatei o quanto a recuperação da MA que liga o Maranhão ao Piauí (após a ponte do Rio Jandira até São Bernardo) pode favorecer o crescimento do turismo no Maranhão. Vou ficar na torcida para que isso aconteça o quanto antes.

Publicidade

Ano novo, cores novas

Todo fim de ano é a mesma preocupação.

Afinal, que cor eu uso? Azul, para proteção e tranqüilidade. Amarelo, prosperidade. Rosa, para o amor. Ou devo ser mais agressiva, usando um vermelho fatal talvez?!!

As festas de fim de ano chegaram tão rápido, que aquela roupa usada no Réveillon passado, que foi super planejada, nos parece sempre familiar, pois é a mesma coisa todo ano, o tal do branco.

E se a roupa não era branca, pelo menos, nas peças íntimas, com certeza, eram. O medo de discordar do que já é convencional e se dar mal é muito grande. Às vezes, crenças que você nem sabe de onde vêm dirigem as nossas vidas.

As pessoas valorizam a passagem do ano, pois depositam nela todos os seus sentimentos e o desejo de renovação.

Comunidades antigas expressavam isso através de ritos, pois jogavam fora roupas e objetos, querendo eliminar de suas vidas tudo o que estivesse envelhecido, e se banhavam em rios ou mar para acolher boas vibrações e renovar as energias. Daí, talvez venham algumas dessas crenças.

No Brasil, usar roupas brancas no Réveillon se tornou quase que uma obrigatoriedade, e essa mania surgiu de superstições das religiões africanas.

Fazemos planos para o futuro, pensamos e planejamos com cuidado, incluindo como nos comportaremos, e como iremos nos vestir. Aí a moda vai e vem, e muda conforme nossas necessidades.

Pelo fato de morarmos num país tropical, onde o sol reina a maior parte do ano – e justo nestas datas – isso nos faz querer usar roupas leves com cores alegres.

Quando vestimos uma cor para passar o Réveillon, devemos escolher cores que representem os nossos sonhos e as nossas necessidades, para que tudo se realize no no Ano Novo.

O que você busca? Qual é a cor que a sua alma está pedindo?

Veja se estas cores podem te ajudar.

Branco: Sugere pureza, ordem, simplicidade, hamonia. É expressiva, estimula os sentidos, realça o bronzeado, mas em excesso promove o cansaço e a depressão. Cuidado com tecidos transparentes para não se tornar vulgar.

Preto: É uma cor sóbria, indica o silêncio. Quando brilhante, sugere nobreza, distinção e elegância, pode ser combinada com várias cores, cria também a ilusão de estarmos mais magras, mas deve ser evitada no verão.

Cinza: Como as cores expressam o estado de nossa alma, o cinza revela que estamos com incertezas ou neutra. É o próprio símbolo da indecisão e da ausência de energia, quanto mais sóbrio, mais se está desanimada e na monotonia.

Vermelho: Significa força, dinamismo, funciona como estimulante, tem ação poderosa sobre o estado de ânimo. É uma cor quente devendo ser usado com cautela, pois é uma cor enervante. Transborda vida e agitação. Esta cor tem a tendência de dar a impressão de engordar a pessoa que usa, por isso, evite usar uma roupa inteira vermelha.

Laranja: Sua função é estimular e nos alegrar. É uma cor contagiante e quente, transborda irradiação e expansão, é acolhedora, mas cuidado para não carregar demais. Usar em estampas de camisas ou em peças menores.

Amarelo: Ela age direto no nosso sistema nervoso central, é muito luminosa, vibrante e forte, atrai a atenção com facilidade. Estimula a ação, o encorajamento e as realizações. Em roupas, usar em pequenas peças ou que tenham estampas; o amarelo aumenta o calor.

Verde: Cor universal da natureza. Tem efeito calmante, relaxante, tem frescor, harmonia e equilíbrio. Pode ser combinado com alguns tons como marrom, terra e preto.

Azul: efeito calmante e repousante, cor profunda. Preferida por adultos pois traz uma certa maturidade. Azul na roupa fica ótimo quando usado tom sobre tom. No tom claro ou com branco provoca sensação de frescura e higiene, quando escuro, chama para o infinito.

Roxo: Equivalente a um pensamento místico, ao mistério. Remete à nobreza e ao poder.

Marrom: Emana a impressão de algo denso. Sugere segurança e solidez. É indicado para ser usado em compromissos de trabalho onde se queira passar segurança e confiança para outras pessoas.

Rosa: é uma cor delicada, sugere feminilidade e afeição. É a cor dos românticos e sonhadores.

Autora: Elaine Furlan
Site: velhosamigos.com.br

Publicidade

As cores do réveillon

Tem cada coisa que você encontra na internet. Estava lendo alguns sites para tentar entender melhor porque as pessoas usam preferencialmente a cor branca durante a passagem de ano. E encontrei cada pérola capaz de fazer qualquer um morrer de rir.

Se você acredita naquelas supertições de que determinadas cores trazem sorte aqui estão algumas que encontrei.

Você poderá arrazar no ano novo…

BRANCO

Um clássico. Branco é a cor do novo, mas só quando é zero bala. Porque branco usado fica aquela coisa meio encardida. E Encardido é a cor da depressão e da angústia. Tem certeza que tá bem branco isso aí? Branco sugere pureza, ordem, calidez, imácula… é isso mesmo o que você quer?

PRETO

Um clássico. Não dá pra errar usando Preto; afinal, todo mundo já ouviu a expressão “pretinho básico”. Como o reveillon não tem nada de básico e é uma data extravagante, vão pensar que você é pobre. Além disso, Preto transmite sobriedade, seriedade, distinção e elegância – tudo o que você vai perder quando arrombar a geladeira dos donos da casa à procura de mais trago. Preto, por não refletir cor alguma, tem a vantagem de não absorver os pigmentos das bebidas que você derramar sobre o corpo.

CINZA/GELO

Outro clássico, mas dos anos 20. É a cor preferida dos que preferem passar o ano novo em casa, vendo a Missa do Galo e bebendo catuaba com raticida. Cinza traz tristeza, indecisão, ácaros, aranhas, pigarro, poeira e ferrugem. Contudo, combinar Cinza com cores vivas, como Laranjão ou Telha, é indicado para conseguir empregos na bolsa de valores ou casas de câmbio clandestinas – dependendo do tom empregado.

VERMELHO

Mais um clássico. Vermelho é estimulante, cheio de vida e agitação; é pelo menos uma promessa de vida no seu coração – que na virada do ano estará bombeando sangue feito louco, para manter o fígado e os rins trabalhando na filtragem de toda a cidra que você bebeu. Essa cor é indicada para solteironas: um vestido longo vermelho sobre um collant vermelho com um xale vermelho com penas vermelhas por cima de tudo catalisa as atenções do Ano Novo para você, além de sugar a energia vital dos outros convidados por perto e desequilibrar o lençol espaço-temporal. Atenção: Vermelho pode trazer problemas, rancor e tristeza para torcedores de futebol. Mas não se preocupe: ano que vem, ano que vem.

LIMA-LIMÃO

Também conhecido como Verde, só que em versão moderna, com zero calorias e zero pontos. É uma cor antisséptica, que leva consigo harmonia e equilíbrio, e presta homenagem ao que a Mãe Natureza já foi um dia – ou pelo menos antes de você apagar o cigarro dentro da orquídea da mãe da anfitriã. É a cor dos ecologistas e dos hippies.

TUTTI FRUTI/ FRUTAS TROPICAIS/ FRUTAS VERMELHAS

Da nova safra vanguardista de cores híbridas. Esteja sintonizado com o novo millenium e entre 2007 usando uma combinação esperta de sabores radicais, que vão deixá-lo na crista da onda, mesmo que você não surfe. Use roupas isotônicas ou simplesmente jogue uma dúzia de Gatorade em cores variadas sobre um lençol branco, recorte um buraco pra cabeça e vista como um poncho. Os outros convidados não vão entender nada, o que significa que você é cool. Mas tome cuidado, porque cool de bêbado…

LARANJA

Esse sim, um clássico da seção de hortifrútis. É a cor das pessoas expansivas e gritonas, que geralmente usam tons também berrantes para confundir o interlocutor em pelo menos dois dos cinco sentidos ao mesmo tempo. Pelo mesmo motivo, é procurada por corretores de seguros e picaretas de carro. É também a cor dos aventureiros, dos entusiasmados e dos que gostam de rir e fazer rir. Principalmente se você estiver usando aquelas calças de paraquedista que eram moda nos anos 80. Escolha Laranja se você quiser um ano novo com mais paixão, alegria ou vitamina C.

MARROM

Marrom lembra ferrugem e vasos sanitários de baixo contraste, mas também chocolate e café. Sugere segurança e solidez, mas também pânico de faltar papel no banheiro. E nem sempre é tão sólido, né? Tipo, tem certeza que quer entrar qualquer coisa – quiçá o ano – usando Marrão? Como esta cor é uma mistura de preto e vermelho, você vai lembrar um gambá que bebe Campari. Pessoas que entram o ano de Marrom envelhecem 2.3 vezes mais rápido do que usuários de outras cores. Indicado para entediados em geral.

AZUL

É o clássico da espiritualidade, da santidade, da religiosidade, da ordem. Ou seja, nada a ver com o quebra-quebra na saída da Geral do Grêmio. Essa cor, conforme a cromoterapia, serve para a limpeza da aura: portanto, não se preocupe em entrar 2007 de Azul. Deixe para usá-lo durante o resto do ano todo.

ROSA

A cor do romance e dos tímidos. Rosa é mistura de vermelho com branco: simboliza a instrospecção da sensualidade. Começa com tesão, depois vai dando um frio, uma tristeza… Você usa Rosa e vai desaparecendo gradualmente. Desbotando. Entrar 2007 com Rosa é indicado para quem quer desfolhar no outono.

FÚCSIA

É a cor de quem anda usando muito o Outlook Express. Entrar o ano novo de Fúcsia atrai animais peçonhentos e lesões por esforço repetitivo.

AZUL LISTRADO COM BRANCO E COLARINHO FECHADO

Mas você precisa ser tão nerd assim o tempo todo? Quer passar outro ano atendendo no suporte técnico, quer? E não, uma boina não fará de você um marinheiro. Agora devolve a minha caneta. Minha!

AMARELO

Uma cor associada ao Sol, seu maldito egocêntrico. As pessoas não vão entender o que é que tanto brilha na sala, até que vão tentar apagar você na base da pancada. E tire esses óculos escuros! Apesar disso, Amarelo atrai otimismo e energia, pois é a cor da cerveja – entre 2007 assim para que não ela lhe falte no ano que chega. Por outro lado, Amarelo também é a cor da hepatite, o que pode causar mal-estar involuntário com aquela sua tia que anda comendo três quilos de cenoura por dia “pra melanina pegar melhor o bronzeado”.

TURQUESA

É uma cor imatura: uns vão dizer que é Azul, outros que é Verde. A família fica confusa. Você não arranja namorada há anos, e agora isso? Entrar 2007 de turquesa vai fazer com que suas primas lhe convidem para retocar a maquiagem e você perca sua parte na herança do vovô.

PADRONAGENS TIPO PATCHWORK

Entrar o ano usando uma roupa feita pela mamãe (ou avó), que mais parece uma colcha de retalhos, é indicado para maridos traídos que desejam ficar em paz na sarjeta ao final da festa – e, quiçá, do ano. Combine com um chapéu para um efeito maior. Qualquer um serve.

AZUL-BEBÊ, AMARELO-BANANA, VERDE-MUSGO, AMEIXA-ACINZENTADO

Se você precisa de duas palavras para descrever a cor da sua roupa, bicho, é porque a sua vida tá um tédio do cacete, vai dizer? Entrar o ano com uma cor de nome composto faz com que todos os seus carnets de prestação resetem, e você vai ter que pagar tudo de novo.

ESTAMPAS FLORAIS

Indicado para turistas japoneses, vendedores de ukelele havaianos e garotas de espírito jovial. Um clássico dos anos 60, da contracultura e do amor livre. Ei, você vem sempre por aqui? Não, não você, seu japa. Tô falando é com ela!

Publicidade

Elis: “Nossos ídolos ainda são os mesmos!”


No roteiro de um dos últimos shows de Elis Regina havia a frase: “Agora, eu sou uma estrela!”. Texto premonitório digno dessa gaúcha que brilhou intensamente na cena musical brasileira, mas que poderia ter brilhado ainda mais.

Gostaria de ver a “Pimentinha”, hoje, com o mesmo esplendor maduro que vi em Elizeth Cardoso: a “Divina”, do alto de seus sessenta e tantos anos: sempre atualizada e inovadora; nunca perdida no tempo! Seria, com certeza, vinho da mesma estirpe nobre!

Poucos intérpretes podem ser comparados a Elis Regina: precoce, ousada, intempestiva e visceral. Na sua voz e interpretação nada era vulgar!

Com menos de vinte anos já participava de festivais, “nadando” num “Arrastão”. Por volta dos vinte apresentava “O Fino da Bossa”, nos bons tempos da TV Record, ao lado de Jair Rodrigues, o “Cachorrão”, e do “Zimbo Trio”, com os quais protagonizou um dos momentos culminantes da MPB: um pot-pourri antológico, registrado no disco “Dois na Bossa”, um dos mais vendidos de todos os tempos.

Elis cantou Chocolate (“Quem descerrar a cortina da vida da bailarina…”), Chico (“Quando olhastes bem nos olhos meus, e o teu olhar era de adeus.”.), Tom (“É pau, é pedra…”). Impulsionou a carreira de Milton Nascimento (“A primeira Coca-Cola foi, me lembro bem agora, nas asas da Panair.”), Ivan Lins (“Ó Madalena! O meu peito percebeu…”), Belchior (“Ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais.”), Zé Rodrix (“Eu quero uma casa no campo…”), Renato Teixeira (“É de sonho e de pó, o destino de um só…”), João Bosco (“Caía a tarde feita um viaduto…”)… Esteve ao lado de Rita Lee em momentos difíceis (“Sou mais ardida que pimenta!”). Deu, até, “Gracias a la vida!”, por Violeta Parra e Mercedes Sosa! Mas não soube se agarrar a ela tanto quanto deveria. Esqueceu que “viver é melhor que sonhar”! Partiu cedo demais… Que droga!

Depois de sua morte pouco foi acrescentado à música brasileira. Para os que apreciam qualidade “os ídolos ainda são os mesmos”, com poucas inclusões. Tim Maia, Djavan, Fafá de Belém, Simone, Oswaldo Montenegro, Legião Urbana, Titãs, Marisa Monte, Zeca Baleiro e Ivete Sangalo são algumas das honrosas exceções, num universo em que modismos fabricados ditam as regras.

São raros os intérpretes que sabem cantar, mas muitos os que apelam para sensualidade vulgar, exotismos grotescos ou apologia da marginalidade e drogas. Os músicos são substituídos por aparelhagens potentes e caras, mas que, quase sempre, são usadas para repetir uma mesma batida: monótona, ensurdecedora e enervante, às vezes tudo junto.

O pior é que várias gravadoras investem alto em ritmos e intérpretes descartáveis, às vezes travestidos de críticos do “sistema” e revolucionários. Só que na década de 1960 – tempo em que “o bicho pegava” -, quem fazia música de protesto era Chico, Vandré… Hoje, dá vontade de protestar, sim! Mas contra a programação da maioria das rádios FM e programas de auditório. Antes, as músicas emocionavam. Hoje, dão vontade de chorar… De raiva!

Não dá para saber se as pessoas ouvem e compram isso por gosto, convicção, condicionamento psicológico ou por absoluta falta de opção.

Até algumas décadas a música brasileira pulsava! Hoje, vive de espasmos…

Pois é… Tudo isso só faz aumentar ainda mais a saudade de Elis!

Não é que eu ame o passado e não veja “que o novo sempre vem”; mas seria muito bom se esse “novo” tivesse um mínimo de qualidade de quem compõe e interpreta, mesmo sabendo “que nada será como antes…”.

O texto é de Adilson Luiz Gonçalves, escritor, engenheiro, professor universitário (Unisantos e Unisanta) e autor do livro “Sobre Almas e Pilhas”, da editora Espaço do Autor.