Flávio Dino diz que é cedo para falar em nova onda da Covid-19

O governador Flávio Dino (PCdoB), revelou em entrevista coletiva virtual, nesta sexta-feira (30) que o Maranhão apresenta queda no número de internados pelo novo coronavírus, no mês de outubro, saindo de 266 para 196 pessoas; e se mantém entre os 10 do país em estabilidade, no que refere a óbitos por conta da doença.

O governador ressaltou o reflexo do panorama internacional para o Brasil e Maranhão. Segundo os dados, a doença se apresenta crescente em países da Europa, que enfrentam a chamada ‘segunda onda’ do coronavírus. Por consequência, retorno de medidas como o lockdown – quando todo o movimento de comércio e serviços são suspensos por tempo determinado. No Brasil, o mapa de letalidade apresentou evolução da doença, crescendo o número de Estados com situação de alerta. Na contramão deste cenário, o Maranhão passou de 126 dias para 133 dias com taxa de contágio abaixo de 1% e na situação de estabilidade.

“São grandes nações do planeta e com as quais o Brasil mantém intensa relação comercial e com grande fluxo de pessoas. Devemos tratar a situação com compromisso e ter a postura que um governante sério precisa assumir. É cedo para afirmar que seja uma nova onda, mas temos que analisar a situação. Na semana passada, tínhamos, no Brasil, um quadro mais favorável de retração do vírus. Essa semana, temos elemento de preocupação e um sinal de que, aquilo que está acontecendo na Europa, venha a ocorrer no Brasil”, afirmou.

Vacina – Quanto à vacina, Flávio Dino informou que o Governo do Estado vai adquirir, assim que for anunciada. “Estamos acompanhando o debate sobre a vacina e o esforço do Butantã na produção. Já formalizei ao governo de São Paulo o nosso interesse em adquirir, quando estiver validada. Esta ou outra vacina, de onde vier”, finalizou Flávio Dino.

Foto: Divulgação

Seja o primeiro à comentar em "Flávio Dino diz que é cedo para falar em nova onda da Covid-19"