JEMs: festa na abertura, reclamação e confusão

Circulam na internet, imagens encaminhadas por integrantes da delegação de Imperatriz que disputam a etapa final dos Jogos Escolares Maranhenses (JEMs) e estão alojados no Ipem, no Calhau.

A abertura aconteceu ontem à noite numa grande festa com direito a show, tocha olímpica e muita alegria dos atletas numa tenda montada para a parte festiva do evento. Estive no local e a opinião geral é de que o novo formato tem tudo para dar certo e vingar nos JEMs. Faltava uma novidade realmente….

Mas vamos à relcamação que falamos incialmente… Além dos atletas de Imperatriz, atletas de outros municípios maranhenses estão alojados no Ipem e essa é a reclamação principal, pois até o ano passado, os atletas de Imperatriz ficavam exclusivamente nas casas do Ipem.

Este ano, como a Sedel resolveu colocar todos os atletas num mesmo local algumas delegações menores foram alojados nas casas com capacidade para até 15 pessoas e onde sempre ficavam os atletas de Imperatriz.

A mudança da Sedel não foi aceita pelos representantes de Imperatriz que chegaram a reclamar até da falta de cuscus no café e classificaram o local como “campo de concentração”.

A coordenadora dos JEMS, Rosana Mota disse que houve um problema com a chuva em um dos alojamentos, mas que imediatamente foi resolvido. Além de Imperatriz, Rosana disse que recebeu reclamação da delegação de Timon.

Ela lembrou que até o ano passado, os atletas ficavam na Vila Palmeira, onde as condições não eram boas e que por isso a Sedel decidiu colocar todos os atletas num mesmo local e que Imperatriz não reclamava porque ficava nas casas todos juntos e agora passaram a dividir os alojamentos com as outras delegações.

Confusão

Sobre uma confusão registrada ao final da abertura dos JEMs, o secretário Rogério Cafeteira que está sendo acusado de agressão relatou o seguinte:

“Na saída da cerimônia de abertura do JEMs, após uma festa ímpar onde todos se confraternizavão e comemoramvam felizes pelo sucesso da abertura, fui abordado sarcasticamente, juntamente com a minha família, por um rapaz, que, posteriormente soube se tratar de Gustavo Carvalho, do MBL. Após ele fazer mais uma gravação tentando me constranger perante todos, eu apenas respondi pra ele: “tão bobão”. Quando minha cunhada, ao se sentir ofendida assim como minha família, puxou o telefone da mão dele por achar que foi desrespeitoso em sua abordagem e no intuito de defender sua sobrinha, uma criança de 12 anos e sua mãe uma senhora de 70 anos que presenciavam tal absurdo. Em seguida ele a agarrou tentando pegar o celular e a mesma ficou apavorada com medo de sofrer uma agressão, uma vez que o mesmo estava descontrolado verbalizando de forma alta e agressiva palavras ofensivas e de baixo calão, deixando seu lado misógino e preconceituoso falar mais alto. Na tentativa de protegê-la, os populares interviram e acabou gerando uma pequena confusão já que o mesmo não se acalmava, gritava descontraladamente e distribuia tapas em quem o tentasse conter. Quando enfim resolveu sair visivelmente transtornado deferiu ofensas e ameaças. Minha cunhada fará o B.O e o corpo de delito, não fez hoje porque minha filha ficou muito nervosa e teve uma crise de choro”.

Gustavo Carvalho, do MBL publicou vídeo afirmando que foi agredido pelo secretário Rogério Cafeteira. O secretário nega a agressão.

3 comentários para "JEMs: festa na abertura, reclamação e confusão"

  • jose carlos silva

    Essa conversa de Rogério está parecendo conversa para boi dormir! Rogério foi defendido pela cunhada, que se achou no direito de tomar o celular do cidadão. Isso não pode ser considerado furto ou até roubo? me compre um bode secretário.

  • Eu

    Esse Gustavo é um louco!

  • Claudio

    Mal contada essa história, intimidaram o rapaz e ainda devem ter apagado tudo do celular dele que estava mostrando jovens em condições precárias. Esses funcionários do governo ficam em redes sociais pregando que são defensores da democracia, mas se receberem qualquer tipo de crítica mostram a verdadeira face que escondem nas redes sociais.