Caos no Socorrão

socorrao1

Equipamentos enferrujados, falta de materiais de trabalho, de profissionais, e de medicamentos, tetos mofados, fiação elétrica exposta, ambiente insalubre e pacientes instalados em macas nos corredores. Este foi o cenário de total contraste com as regularidades necessárias ao bom andamento da prestação dos serviços da rede municipal de saúde, constatados pelo líder da oposição na Câmara Municipal, vereador Fábio Câmara (PMDB), durante uma inspeção “surpresa” realizada na noite desta quarta-feira (27), no Hospital Djalma Marques, o Socorrão I.

Fábio disse que a inspeção ocorreu por causa de uma cena lamentável registrada num dos corredores do Socorrão I, após a divulgação de um vídeo na internet, mostrando uma criança de 13 anos, com suspeita de meningite, que vinha sendo mantida numa maca, sem qualquer assistência digna na unidade, desde a última segunda-feira (25). A criança, que chegou a ser retirada do corredor, após intervenção do Ministério Público, respirava com a ajuda de aparelhos e era o pai quem permanecia ao seu lado o tempo inteiro.

“Fiquei preocupado com uma possível contaminação, pois a paciente ficou muito tempo exposta num hospital com corredores suerplotados. O que vimos no Socorrão está mais para um matadouro que para Hospital, é um foco de contaminação”, afirmou o parlamentar.

O peemedebista disse que além da falta de medicamentos, faltam materiais básicos para a realização de procedimentos cirúrgicos. Ele afirmou ainda que enquanto passava pelas enfermarias, muitos pacientes o chamava para denunciar que estão há  dias sem água. “Com o problema, os pacientes estão tendo que comprar água para beber em uma lanchonete próxima ao hospital”, pontua.

A visita iniciada por volta das 19h envolveu toda a extensão da unidade de atendimento, onde foi possível verificar as deficiências existentes principalmente na área da infraestrutura onde foram constatados entraves pela inexistência de equipamentos, sucateamento da estrutura física e um cenário de revolta e insatisfação em meio ao corpo funcional.

“O Socorrão não é lugar para seres humanos. O banheiro está uma lambança, não tem água para lavarmos nem as mãos. Aqui, o cenário é de guerra”, relatou uma funcionária ao vereador Fábio Câmara.

Em uma das enfermarias, foram constatadas várias irregularidades. Falta de ventilação, tetos mofados e fiação elétrica exposta, são fatores que tornam o ambiente insalubre a pacientes e acompanhantes, que se mostram envoltos de ferrugem e danos irreparáveis que expõem a vida de milhares de pessoas que utilizam dos serviços médicos da unidade ao risco de infecções.

“A possibilidade de contrair uma infecção nas dependências do Hospital é enorme. A ferrugem está espalhada por toda a parte. A estrutura está totalmente comprometida pelo mofo, há fiação exposta e umidade na parede. A ventilação é comprometida e a falta de limpeza nos banheiros são fatores que contribuem para tornar o ambiente insalubre e paciente e acompanhante”, informou Câmara.

socorrao2
Ações

Após constatar as irregularidades, o líder da oposição protocolou mais três representações contra o prefeito Edivaldo Júnior (PTC) e César Felix, titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semus). Agora, além do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal, o parlamentar acionou o Ministério Público do Trabalho, por conta das péssimas condições de trabalho a que são submetidos os profissionais que prestam serviços nas unidades de saúde do município. A situação, segundo o parlamentar, chegou ao ponto de provocar uma demissão em massa de médicos que atuam nessas unidades.

Nas representações, estão sendo cobrados esclarecimentos sobre atraso no salário dos profissionais de saúde, condições de trabalho nas unidades e ainda a questão do vínculo empregatício, já que a maioria dos médicos que pediu demissão coletiva em carta enviada ao prefeito Edivaldo Júnior trabalha por regime de contrato.

“As representações são baseadas numa carta de demissão coletiva enviada ao prefeito Edivaldo Júnior, em vídeos obtidos na internet e em filmagens que realizei no Socorrão. Como representante do povo, temos que nos movimentar e trabalhar para melhorar a saúde. Se não agirmos rápido, a situação ficará bem pior do que está”, afirmou Câmara.

Intervenção

O parlamentar defende uma intervenção federal urgente no sistema de saúde de São Luís. Segundo ele, o pedido se faz necessário porque o caos é a palavra que define a atual situação da saúde pública na capital. “Além das três ações, vamos representar ainda ao Ministério da Saúde pedindo intervenção no sistema de saúde de são Luís. O pedido se faz necessários porque a prefeitura recusou a parceria com o governo do estado, sendo assim, a única saída para amenizar o sofrimento do povo é uma intervenção federal no sistema de saúde de São Luís”, disse Fábio Câmara.

4 comentários para "Caos no Socorrão"

  • Ana Lúcia

    Só está cada vez pior porque não querem a parceria com o Governo do Estado. Acorda prefeito Edivaldo.

  • Otávio

    Isso foi vergonha para Castelo e continua também com Holandinha.

  • Ronaldo

    Este é o exemplo de falta de gestão pois o secretário Félix ainda não disse ao que veio e Holandinha parece ter perdido a vontade de fazer alguma coisa porque se esconde e não resolve os problemas da sua administração.

  • Cláudio

    A SAÚDE É O MAIOR PROBLEMA DO GOVERNO HOLANDINHA ATÉ HOJE.