Brincando nos Bairros

brincando1Na sexta edição do projeto “Brincando nos Bairros”, promovido pela Prefeitura de São Luís, as crianças da comunidade Coheb-Sacavém foram beneficiadas com uma série de atividades recreativas desenvolvidas por meio da Secretaria de Desporto e Lazer (Semdel). Entusiasmados, os participantes aproveitaram a manhã deste sábado (16) e se divertirem com brincadeiras tradicionais que foram oferecidas no bairro.

De acordo com o secretário da Semdel, Raimundo Penha, o êxito do projeto é tanto que a demanda está crescendo. “Moradores dos mais diversos bairros têm nos feito muitas solicitações. Ficamos felizes, é um sinal de que temos cumprido o nosso objetivo de levar o lazer e o esporte à nossa população. É interessante frisar que com essas ações de recreação, temos estimulado os moradores a otimizar os espaços como forma de garantir diversão às crianças”, ressaltou Penha.

brincando2Devidamente acompanhadas pelos pais e orientadas por funcionários da Semdel, as mais de 100 crianças puderam se divertir em muitas opções de brincadeiras, como amarelinha, pula corda, corrida de saco, pintura de rosto, brinquedos infláveis, piscina de bolinhas, voleibol, jogo de futebol de travinha, ping-pong entre outros.

Na parte de prestação de serviços, bancas foram montadas, com o apoio da igreja local, para a aferição de pressão arterial, corte de cabelo, teste de glicemia, avaliação nutricional entre outros serviços. O Instituto de Paisagem Urbana também fez a distribuição de mudas de plantas.

Até dezembro, mais uma edição do projeto “Brincando nos Bairros” deverá ser realizada, visando resgatar brincadeiras antigas bem como levar ação social aos bairros aproveitando os espaços públicos para o lazer. Este ano, além da Coheb-Sacavém, o evento já foi realizado nas comunidades da Liberdade, Parque do Bom Menino, Vicente Fialho, Coroadinho e São Cristóvão.

Uma resposta para "Brincando nos Bairros"

  • Desportista

    Pelo que estamos acompanhando a administração de Edivaldo Holanda Jr. vem dando muita ênfase ao esporte, mas percebe-se que ainda é pouco porque pelo que sabemos o orçamento é pequeno demais.