Agiotagem no Maranhão

glaucioalencar

Os empresários Gláucio Alencar e José de Alencar Miranda prestam depoimento, na manhã desta sexta-feira (27)  na sede da Polícia Federal no bairro da Cohama, em São Luís. Os depoimentos cumprem um mandado de condução coercitiva, como desdobramento da operação Usura II deflagrada pela Polícia Federal  na última quarta-feira (25). A ‘Operação Usura II’ foi iniciada pela Polícia Federal em 2011 e tem como objetivo coibir o desvio de recursos públicos federais que são repassados às prefeituras.

O advogado de Glaucio e Miranda, Adriano Cunha, disse que a defesa ainda não vai se pronunciar sobre o caso, mas garantiu que haverá esclarecimento futuramente. “A orientação da assessoria jurídica, sobre o caso de agiotagem, é de que, no primeiro momento, eles prestem esclarecimento somente em juízo”, disse Cunha.

Os depoimentos cumprem um mandado de condução coercitiva como desdobramento da Operação Usura II, deflagrada pela Polícia Federal na última quarta-feira (25). Iniciada em 2011, a operação tem como objetivo coibir o desvio de recursos públicos federais que são repassados às prefeituras.

De acordo com a PF, pelo menos R$ 7,5 milhões de recursos da saúde teriam sido desviados, em Bacabal, e R$ 4,5 milhões em Zé Doca.

A Justiça já expediu 19 mandados de busca e apreensão, além de mandados de condução coercitiva, em que os investigados são levados à delegacia para prestarem depoimento e depois são liberados. Entre os que prestaram depoimento, está o empresário Josival Cavalcanti Silva, mais conhecido como Pacovan; a esposa dele, Edna Cavalcanti; e o ex-secretário de Saúde de Bacabal, Lílio Guega.

G1

Seja o primeiro à comentar em "Agiotagem no Maranhão"