Semdel discute políticas públicas de esporte em SL

rodaA Secretaria de Desportos e Lazer (Semdel) realizou uma Roda de Diálogo entre os integrantes do Conselho Municipal de Esporte de São Luís (Comesp). O objetivo é retomar o processo de discussão e definição das políticas públicas para o esporte da capital. O encontro teve a participação dos 26 membros integrantes do Conselho, funcionários da Semdel e outros participantes da sociedade civil e do poder público.

O secretário de Desporto e Lazer, Raimundo Penha, ressaltou sobre o processo de construção de políticas públicas desportivas na capital. “Infelizmente hoje não temos políticas públicas efetivas voltadas para o esporte na capital. Iniciamos o resgate do Comesp em meio a um orçamento engessado. O cenário estrutural é de muita dificuldade. Além disso, encontramos a maioria das nossas praças desportivas destruídas”, disse.

Penha citou como exemplo o Estádio Nhozinho Santos, que estava com os banheiros sujos e depredados e com diversos problemas de infraestrutura para resolver. “Temos uma nova gestão e junto com a sociedade vamos trabalhar para construirmos um Conselho de direito, sólido e que com certeza pensará no Plano Municipal de Esportes para os próximos 10 anos”, completou o secretário.

A “Roda de Diálogo” teve a participação da advogada Valdira Barros, doutora em Políticas Públicas, que proferiu a palestra “O Papel do Conselho de Direito para Efetivação das Políticas Públicas”. Outro tema  abordado foi “A Importância das parcerias: Poder Público e Sociedade Civil para o sucesso na gestão pública”, que teve como palestrante a assistente social Raquel Pereira.

Uma resposta para "Semdel discute políticas públicas de esporte em SL"

  • Marco Antonio Carvalho Diniz

    QUEM MUDOU O TOM FOI JERRY, o Márcio, que deveria interagir melhor com a população, comunicando, pelo menos, o que Holanda está pensando em fazer. Imaginem que já houve até levante de dirigente do PC do B em Plenária propondo que o Pleno do partido convoque o Sectá-rio de Comunicação do Município para transparecer o andamento do go-verno municipal. O preciosismo do “Chefe de Governo” é tão grande que chega ao ponto de não atender telefonemas de dirigentes históricos e de-cisivos (pela garra) na grande vitória em São Luis. Sinceramente, quando soube desses acontecimentos (na terça), fiquei doente o resto do dia. E me pus a pensar e repensar 2014. O certo é que todos têm que aceitar que a FIGURA FLÁVIO DINO é suprapartidária, então, se futuro governa-dor for de PC do B ou de PSB ( leia-se: Eduardo Campos) em 2014, tanto faz. Isso justifica o comportamento de Márcio Jerry, que não está nem aí para o PC do B.

    Marco Antonio Carvalho Diniz