Caos em Pinheiro

filuca1Caos é a palavra que define a situação encontrada em Pinheiro pelo recém-empossado prefeito Filuca Mendes [PMDB].

Em todos os setores da Administração podem ser encontrados exemplos nada agradáveis de irresponsabilidade e falta de compromisso com o bem público empreendidos pela gestão do antecessor, Zé Arlindo Souza (PSB).

Para que se tenha uma ideia, em uma ação criminosa, nem mesmo o servidor que abrigava os dados da Administração Municipal escapou. O computador foi subtraído do prédio da Prefeitura sem que se saiba o destino tomado. Em decorrência, o atual gestor não dispõe de nenhuma informação, por exemplo,sobre número de funcionários públicos lotados no Executivo, embora a farra de nomeação tenha sido grande no apagar das luzes.

Nem os aparelhos celulares e os respectivos chips, usados pela equipe do prefeito anterior,foram devolvidos. E nos novos secretários encontraram suas pastas em estado de completo abandono, os com energia e telefones cortados, com mobiliário depredado e sem climatização.

filuca31Na Saúde, o quadro é ainda mais grave tamanha é a depredação dos dois hospitais municipais, o Hospital Municipal Antenor Abreu e a Maternidade Nossa Senhora das Mercês [Hospital Materno Infantil]. Nos postos de Saúde e Laboratórios, situação idêntica. Além do lixo, baratas e dos centros cirúrgicos sem equipamentos funcionando adequadamente, faltam materiais hospitalares e até lençóis.

Isso sem contar funcionários insatisfeitos pelo atraso nos salários e o estado de total desorganização. Um tomógrafo foi encontrado sem uso ainda na embalagem original já comprometida pelo ataque de cupins. Adquirido pelo então prefeito Filuca, o tomógrafo foi entregue pelo fornecedor ao prefeito Zé Arlindo, que ‘desautorizou’ a instalação.

Não bastasse isso, os “ratos” do Erário Municipal em Pinheiro providenciaram substanciosas transferências monetárias para apaniguados e familiares na derradeira volta do ponteiro. No dia 31 de dezembro, por exemplo, agendaram para a última quarta-feira (02/01), a transferência de R$ 357.000,00 (trezentos e cinquenta e sete mil reais). (Veja o extrato). Os recursos favoreciam uma gráfica que leva o nome do santo padroeiro da cidade, a Gráfica Santo Inácio, registrada com o nome da empresa M. de Jesus Ribeiro.

filuca5O extrato também mostra pagamentos oriundos da pasta da Saúde, gestão Graça Mendes. Boa parte dos nomes que ali aparecem são de médicos recém-formados, alguns na Bolívia e não detentores de CRM e outros concludentes do curso no último dia 13 de dezembro passado, com CRM emitido já no dia 17/12/12, em tempo recorde.

Nos relatos, apurou-se que alguns deles teriam cumprido 14 plantões de 24 horas a partir dessa data, recebendo por isso R$ 47.000,00 [quarenta e sete mil reais], o que equivale a R$ 3.357,00 por plantão, valor impraticável no mercado local, especialmente para a remuneração de recém-formados.

E, além disso, a administração do inexpressivo Zé Arlindo, que só chegou à Prefeitura graças ao prestígio do atual prefeito Filuca Mendes, também “bonificou” aliados políticos com somas vultosas. Foram feitos depósitos nas contas do sogro e da esposa do suplente de deputado Luciano Genésio, candidato a vice na chapa do ex-prefeito derrotado, e filho da então secretária de saúde do município Graça Mendes.

filuca4A soma dos depósitos chega a R$ 123.000,00 (cento e vinte e três mil reais), beneficiando Talvane Ribeiro Hortegal (sogro de Luciano), que recebeu por meio de depósito em sua conta no valor de R$ 67.500,00 (sessenta e sete mil e quinhentos reais); Thaiza de Aguiar Hortegal (esposa de Luciano Genésio), por depósito em sua conta no valor de R$ 55.500,00 (cinquenta e cinco mil e quinhentos reais), todos feitos no último dia do mandato do ex-prefeito, em 31/12/2012.

Com isso, Zé Arlindo repete a performance do pai de Luciano Genésio, Zé Genésio, quefoi afastado do cargo de Prefeito de Pinheiro no ano 2000, sem sequer concluir o mandato, respondendo a várias ações na Justiça Civil e Federal, tendo seus bens bloqueados por ordem judicial.

O prefeito Filuca Mendes já começou a tomar as providências jurídicas e administrativas.

Medidas emergenciais

Dentre as providências, estão: o envio à Câmara Municipal de mensagem de Reforma Administrativa visando a reorganização da administração municipal; e a edição de decretos anulando atos da administração anterior; convocando servidores para recadastramento; rescindindo contratos temporários de trabalho e exonerando comissionados da gestão anterior; revogando cessão e disponibilidade de servidores municipais; suspendendo todos os contratos firmados pela administração anterior e anulando termos de cessão de imóveis públicos.
filuca2

filuca2No início da semana, o prefeito pretende decretar estado de emergência na Saúde. No momento, está sendo feito um diagnóstico da situação com a coleta de dados para subsidiar a medida.

Paralelamente, o prefeito Filuca determinou aos secretários já empossados a elaboração de diagnósticos de suas pastas para a identificação dos problemas emergenciais. O secretariado está reunido neste sábado, 5, tratando do assunto. O diagnóstico, segundo o Prefeito é uma necessidade, uma vez que no município de Pinheiro não houve transição.

– Embora tenhamos nomeado os nossos representantes na Comissão, o meu antecessor dificultou o processo e o fornecimento das informações. Buscamos auxílio judicial, mas a medida não saiu em tempo de nos acercarmos melhor da situação do município e dar início ao nosso programa de trabalho e às medidas emergenciais – declarou Filuca Mendes..

Blog de Marco D’Eça

Uma resposta para "Caos em Pinheiro"

  • Alex

    Impressonante como o Marco D’Eça é parcial e controvertido. Tudo bem, a situação em Pinheiro é grave e precisa de ajustes, mas lá o prefeito é do PMDB e por isso tem o direito de ser o “coitadinho”, mas aqui a situação é também grave e o Edivaldo usou praticamente as mesmas palavras que Filuca, mas vem seu D’Eça e fica criticando Edivaldo por ficar só “reclamando”. Pelo jeito coerência passa longe do dicionário dele.