Em ranking, os estados que vão decolar em 2012

A estabilidade política e econômica, o crescimento do mercado consumidor e os incentivos fiscais fazem do Brasil um país atraente para os investidores estrangeiros. Mas nem todos os estados conseguem aproveitar essa oportunidade como deveriam.

São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Distrito Federal e Santa Catarina são os únicos que apresentam um bom ambiente de negócios para quem quer investir no setor produtivo do país.

Nos demais, problemas como a carga tributária elevada, a burocracia, as deficiências de infraestrutura e a falta de mão de obra qualificada afugentam o capital externo. Essas são as principais conclusões do primeiro Ranking de Gestão dos Estados Brasileiros, elaborado pela Unidade de Inteligência do grupo inglês Economist, patrocinado pelo Centro de Liderança Pública e publicado com exclusividade por VEJA.

O relatório será atualizado anualmente e divulgado na última edição do ano da revista. O objetivo é ajudar a balizar os administradores públicos, a fim de que eles promovam as reformas necessárias e, assim, aumentem a sua capacidade de atrair o investimento estrangeiro e também nacional. Afinal de contas, legislações que proporcionem maior eficiência e produtividade funcionam como um ímã para o dinheiro de qualquer nacionalidade.

Ranking de gestão dos estados brasileiros – 2011

Congresso: ranking dos melhores deputados e senadores do Brasil

2 comentários para "Em ranking, os estados que vão decolar em 2012"

  • Gilberto

    O Maranhão como sempre lá embaixo, graças aos nossos governadores!! Viva 2012 o/ hahaha…

  • Paulo

    ENGRAÇADO, DIZEM QUE O MARANHÃO É O PIOR ESTADO DO BRASIL E DÁ VÊ QUE EXISTEM TRÊS AINDA PIORES E O PIAUI COMO DIZEM AINDA É O MAIS POBRE.

    QUANDO É ÉPOCA DE ELEIÇ]OES COLOCAM O MARANHÃO MAIS BAIXO QUE APARTAMENTO DE MINHOCA, PRINCIPALMENTE A OPOSIÇÃO É TANTO INDICE, É IDH, IPH, IGH, IRH, IPV, PVA, HIH, TRI, GPT, GPO, IPTU, IVPV, OS DIABOS… ENFIM A OPOSIÇÃO CRIA TANTO INDECE QUE APARECE NA POLITICAGEM QUE CONFUNDEM A CABEÇA DOS ELEITORES.