Liberação de condutor cria ‘sensação de impunidade’

O superintendente de Polícia Civil da Capital, delegado Sebastião Uchôa, lamentou a liberação, após pagamento de fiança de R$ 6 mil, do condutor do automóvel que atropelou e matou duas pessoas na noite do último sábado (5) na Avenida Litorânea, em São Luís. De acordo com Uchôa, os procedimentos policiais foram feitos de acordo com a lei apesar de acreditar que a liberação de Rodrigo Araújo Lima, condutor do veículo envolvido no acidente, tenha criado “sensação de impunidade”.

Sebastião Uchôa explicou que, apesar do motorista ter apresentado sinais de embriaguês e estar dirigindo o veículo em alta velocidade e com as luzes dos faróis desligadas, o crime teve de ser considerado homicídio culposo (sem intenção de matar). No entanto, essa nomenclatura poderá ser alterada para homicídio doloso (com intenção de matar) após a conclusão do inquérito policial no prazo de trinta dias.

“A delegada procedeu na forma da lei. Ela fez autuação em flagrante até porque ele tinha se evadido do local do crime e não prestou socorro às vitimas. Ela cumpriu a lei, mas, infelizmente, a lei é branda nesse sentido de liberá-lo mediante a fiança. Infelizmente a legislação nesse aspecto é muito branda beneficiando e gerando clima de impunidade. A legislação termina parabenizando o infrator, gerando sensação de impunidade perante a sociedade. O ideal é que haja mudança da legislação em caráter emergencial”, esclareceu delegado Sebastião Uchôa.

Apesar de o atropelamento das duas pessoas ter tido repercussão nacional, o fato não foi registrado no relatório da polícia. De acordo com o superintendente de Polícia Civil, houve um “esquecimento” por parte da escrivã. Sebastião Uchôa garantiu que a “falha administrativa” não irá prejudicar as investigações.

“Foi uma falha da escrivã. Ela esqueceu de colocar [no relatório], mas o auto de flagrante já está nas mãos da delegada Ana Claudia. Não foi no relatório do plantão, mas está no relatório do Ciops a ocorrência. É uma falha administrativa corrigida e não atinge a autuação em flagrante. Isso não vai prejudicar nada”, finalizou o delegado.

Paulo de Tarso Jr./Imirante

Ouça a entrevista concedida ao Rádio Patrulha, na Rádio Mirante AM

Matadores alcoolizados

Até quando o trânsito vai tirar a vida de inocentes?

Motorista em alta velocidade mata dois na Litorânea

3 comentários para "Liberação de condutor cria ‘sensação de impunidade’"

  • LUCIANO

    É Grande zeca, a impunidade nesse país é grande, infelizmente deveria ter Leis mais duras e aplicadas na hora certa, veja que no caso do maggion andrade a justiça nem dormiu no dia, tirando esse pistoleiro da cadeia e agora parece que a mesma justiça está ibernando nos braços de morfeu !!! QUE TRISTEZA….estamos vivendo uma guerra civil de inpunidades e justiça com as proprias mãos….vamos zeca, conto com você !!! faça uma reportagem sobre a justiça desse caso, o Juiz do processo é o MARCELO LIBERIO todos sabem que é um juiz sério e esperamos uma boa resposta a sociedade que está cançada de injustiça nesse país. Estou orfão de um grande amigo e quero ver esses pilantras atraz das grades…

  • Rosa

    Que Deus conforte a dor desta família que deve estar sofrendo muito. EU acho que deveriam colocar uma fiança bem pesada para que esse irresponsável pudesse ficar um bom tempo na cadeia porque é um absurdo o que os motoristas em alta velocidade como este que matou duas pessoas andam fazendo nas ruas e avenidas de São Luís.

  • Rogério

    O NOME DISSO É IMPUNIDADE