A verdadeira história da saída de Nordman

A delegada Maria Cristina Resende Menezes assume esta semana a Delegacia Geral da Polícia Civil no lugar do colega Nordman Ribeiro. A decisão do secretário Aluísio Mendes em fazer a modificação é política, segundo apurou o  Blog do Décio Sá.

Apesar de sua reconhecida competência, Nordman é tido pela cúpula da Secretaria de Segurança como ligado demais ao ex-secretário e deputado Raimundo Cutrim (PSD), que ainda sonha em voltar ao cargo onde reinou durante quase 15 anos.

Nos últimos meses, o deputado vem criticando abertamente Aluísio Mendes em discursos na Assembleia. Para ele, o problema da pasta é a “falta de comando”.

No comando do órgão, Nordmann estaria protegendo um grupo de cerca de 30 delegados ligados a Cutrim. Os policiais pouco trabalham e muito deles ainda recebem polpudas diárias. É a Delegacia Geral que organiza o trabalho dos delegados.

Esse grupo de delegados estaria incentivando movimentos internos, como greves, com objetivo de enfraquecer Aluísio Mendes. “De tanto tempo sem trabalhar, alguns já esqueceram até como se faz um inquérito”, brincou uma fonte da secretaria.

Cristina Menezes é ex-delegada fazendária e atualmente era a corregedora da Polícia Civil. Sua função na Delegacia Geral será mais administrativa. Uma de suas missões será pôr ordem na casa e acabar com os “privilégios” da turma ligada a Cutrim.

O comando operacional da Delegacia Geral ficará mais a cargo do delegado Marcos Affonso Júnior, que deve ser o adjunto.

Essa é a verdadeira história da saída de Nordmann Ribeiro da Delegacia Geral.

2 comentários para "A verdadeira história da saída de Nordman"

  • alex

    Salvo engano, era esse delegado que usava viaturas da polícia civi pra levar os filhos pra escolar, o papagaio pro veterinário e a mulher pro shopping.

    Já vai tarde!

  • alberto lima silva

    Lá na Secretaria de Segurança, tem pessoas trabalhando sem concurso público, FILHO DE AMIGO DE FULANO, PRIMO DE FULANO, SOBRINHO DE FULANO) cargos: Serviços gerais, aux. de escritório, aux. de gabinete uma verdadeira farra com o dinheiro público, tem uma empresa que presta serviço lá “onde eles estão todos empregados” trabalho mole e ganhando muito é uma beleza………………….. todos colocados na gestão do então deputado CUTRIM………….