Servidores da Justiça em greve no Maranhão

Os servidores do Judiciário maranhense deram início, na manhã (9), a uma greve geral por tempo indeterminado, que atinge a categoria em todo o Estado. O movimento foi deliberado em assembleia geral realizada pelo Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão (Sindjus) no dia 30 de julho.

Por unanimidade, servidores de todas as comarcas do Estado decidiram paralisar as atividades. Segundo os servidores, a administração do Tribunal de Justiça do Maranhão não está valorizando as reivindicações da categoria, em tentativas de negociações que ocorrem há cinco meses.

Os servidores querem reposição inflacionária anual da categoria, definição de uma data base, correção dos auxílios alimentação, saúde e transporte que estão defasados e fim de privilégios no Poder Judiciário maranhense.

Durante a greve, os servidores e o Sindjus iniciarão, ainda, uma campanha pública para que os Juizados Especiais permaneçam nos bairros de São Luís para garantir o fácil acesso da população carente à Justiça gratuita.

As comarcas de Codó, Caxias, Chapadinha, Bacabal, Imperatriz, Coroatá e Timbiras, Pinheiro e de toda região da Baixada Maranhense, do Médio Mearim e do Baixo Parnaíba, Zé Doca, Santa Inês, Alcântara, Cantanhede, São Luiz Gonzaga, Vitorino Freire, Barra do Corda, Pedreiras, Penalva, Mirinzal, João Lisboa, Amarante, Porto Franco, Itapecuru-Mirim, Pindaré-Mirim, Monção, Timon e Açailândia, Imperatriz, entre outras comarcas, confirmaram adesão geral à greve.

As manifestações e protestos dos servidores serão realizados em frente aos fóruns no interior do Estado. Em São Luís, a concentração será no Fórum do Calhau.

Do Imirante

7 comentários para "Servidores da Justiça em greve no Maranhão"

  • Fernanda Soeiro

    Zeca,

    Obrigado por divulgar o nosso movimento. As coisas estão muito ruins para os servidores da Justiça.

    Fernanda Soeiro

  • Gildásio

    Oportuna a greve.

  • santos

    Os juízes estão perto de cosnseguir 14% de aumento, os servidores não conseguem nem 6% de reposição inflacionária. Justo o movimento.

  • alex

    Vão trabalhar!!! Procurem outros meios de reivindicar! A população sofre com isso!!!

  • Conrado

    Quem paga o pato é sempre quem necessita da Justiça, que hoje está, como sempre, atrasada

  • SErvidor do Judiciário

    Zeca, o engraçado é que tem injustiça na JUSTIÇA. É o seguinte: é que tem uma ação do sindicato que é da URV, na mudança da moeda antiga oara o real não houve a correta conversão e essa diferença é de 11,98%, e o mais engraçado dessa história é que juízae, desembargadores já conseguiram essa correção além de uma minoria de servidores que têm cargo COMISSIONADO.

  • Carlos Eduardo

    Êta povo que vive na base da chibata é esse do TJ e do MP. Com certeza essa greve será decretada ilegal, pois o patrão é o próprio TJ.