A última careta de Alecsandro

Contra o Atlético-PR, gol e careta. Contra o Coritiba, outro gol e uma nova careta. A comemoração de Alecsandro, em homenagem ao pai Lela, que eternizou o gesto justamente pelo Coxa, rival na final da Copa do Brasil, poderia virar sua marca registrada. Mas na verdade ela está com os dias contados. Brincalhão, o camisa 9 do Vasco se disse uma pessoa muito descontraída e admitiu que não gosta muito de chegar em casa e ver uma foto sua mandando careta para os torcedores.

– Não gosto muito da careta. Essa, inclusive, pode ser a última. Depois eu olho na televisão e fica feio. É uma careta mesmo. E eu sou um cara alegre e descontraído. Fazer careta para os outros é algo estranho para mim. Vou deixar para os jogos especiais – afirmou.

Alecsandro disse que não tinha premeditado a careta desta vez. Mas o gol estava vivo na sua cabeça. O atacante revelou que conversou com o seu pai e garantiu que iria marcar um gol hoje. Só que a comemoração surgiu apenas em campo, já que havia uma certa preocupação com a reação da torcida do Coritiba. No entanto, ele acredita que ninguém no rival vai pensar em desrespeito já que o carinho pelo clube é sincero.

– O que está na história ninguém pode apagar. Eu sou grato ao Coritiba e o meu pai também. Durante muitos anos o Coritiba foi responsável pelo nosso prato de comida, foi quem nos manteve e quem nos colocou no futebol. Tenho certeza de que ninguém vai encarar como desrespeito – afirmou.

Leia mais no Globoesporte.com

Seja o primeiro à comentar em "A última careta de Alecsandro"