Não há exagero no pedido do TJD

Não quero contrariar ninguém que pensa diferente de mim, mas não vejo exagero algum nas solicitações feitas pelo presidente do TJD, Antônio Américo Gonçalves Lobato para afastar preventivamente o presidente da Federação Maranhense de Futebol, Alberto Ferreira.

O que o TJD-MA quer da FMF é o mínimo. O Tribunal até deveria apertar a Federação em outras coisas que ela não cumpre, mas preferiu agir apenas neste caso.

Dizer que a Federação não é rica ou que o Tribunal daqui é bem equipado é outra grande piada.

Tenho dito que dinheiro para a Federação não é problema. Além da grana que vem da CBF (e que ninguém consegue saber o valor verdadeiro) a Federação arrecada dos clubes nos jogos e inscrições de atletas.

A Federação aos invés de atender a solicitação do Tribunal usa a sua tropa de choque, inclusive com homens de imprensa. Parte para a defensiva, mas não procura fazer o correto. Não procura viabilizar financeiramente as competições que realiza, enfim faz pouco ou não faz nada.

Ontem, por exemplo, durante entrevista à Rádio Mirante, o diretor técnico da FMF, José Alberto de Moraes Rego bateu forte no presidente do MAC, Carlos Moreira que criticou, também na emissora a inexistência de um departamento de marketing na FMF. José Alberto disse que daquele momento em diante agiria no modelo “bateu, levou”

Não entendo como os clubes, os maiores prejudicados pela má gestão do futebol no Maranhão ficam calados neste momento tão decisivo para o futebol. É como se eles não tivessem sentindo na própria pele.

Não sei onde tudo isto vai parar. Só não espero que mais uma vez não estejam apenas colocando a sugeira debaixo do tapete. Quando formos erguer o tapete mais adiante, a sujeira estará ainda maior.

E o problema será ainda maior para clubes, Federação, imprensa e torcedores.

Uma resposta para "Não há exagero no pedido do TJD"

  • Jorge Henrique de Viveiros Vieira

    Bom Dia, Zeca.

    Parabénas pelo seu comentário. Realmente o que o Tribunal está solicitando é o mínimo para se ter condições de trabalho. Hoje, se aquela sala onde funciona as comissões disciplinares, o pleno do Tribunal, e até as reuniões da FMF está do jeito que está é graças ao empenho do Presidente da 2º Comissão Disciplinar Dr. João Francisco que, no ano de 2008, cuja comissão eu também fazia parte, conseguiu através dos clubes o material e mão de obra para que fosse feito a reforma, pois antigamente aquela sala parecia um depósito de lixo, sem piso e cheia de morfo. As poltronas que ali se encontram foram doadas pelo Sr. José Alberto (Geografia).

    Também ouvi os comentários tanto do Presidente Carlos Moreira, no programa apresentado pelo Gil Porto, quanto do Sr. José Alberto no programa do Laércio Costa. Quando o Presidente Carlos Moreira afirma que a Federação Maranhense de Futebol não tem um Departamento de Marketing é porque não tem mesmo, como também não tem um Departamento Jurídico, como também não tem um Departamento de Informática capaz de atualizar e manusear com o seu site que é uma pouca vergonha.

    Quando o Sr. José Alberto disse que bateu à porta de 05 (cinco) empresas de Marketing para pedir ajuda e não foi atendido é porque a FMF não tem credibilidade para pleitear nada. Ninguem quer colocar o seu dinheiro num saco furado, ninguém quer atrelar a imagem de sua empresa a um futebol cheio de escândalos, cuja entidade maior que é a FEDERAÇÃO não possui respaldo e crédito na praça.

    Os Clubes, não esperem nada da FMF, vão atrás de seus patrocinadores. O Tribunal, tem que continuar agindo com rigor, inclusive questionando a atitude de alguns de seus Auditores que preferem o atraso do que a modernidade.

    Jorge Viveiros.
    Diretor Jurídico do Sampaio Corrêa Futebol Clube.