Obra no Costa Rodrigues parada por irregularidade

costarodrigues170709.jpgAs obras de reconstrução do Ginásio Costa Rodrigues foram paralisadas, nesta sexta-feira (17), pelo secretário de Estado de Esporte e Juventude, Roberto Costa, que fez a entrega do termo de paralisação ao proprietário da Maresias Construções, empresa responsável pelos serviços. “A paralisação é resultado da auditoria feita na obra, que constatou desvio do dinheiro público”, declarou o secretário. (As fotos são de Handson Chagas)

Roberto Costa explicou que foram pagos R$ 5,3 milhões de um contrato todo irregular. “O contrato foi fechado em 26 de dezembro do ano passado após ter sido decretado estado de emergência do ginásio. No dia 2 de janeiro, foi dada a ordem de serviço, prevendo prazo de 90 dias para a conclusão dos trabalhos. Em fevereiro foi realizado o primeiro pagamento, cerca de R$ 1,1 milhão e, em março o segundo pagamento, cerca de R$ 709 mil. Porém, em 1º de abril, a obra foi aditivada em R$ 3,3 milhões. Esse valor corresponde a aproximadamente 170% dos serviços iniciais. A justificativa é de que, em vez da “reforma”, agora os serviços seriam de “reconstrução” da praça esportiva”, afirmou.

Segundo o secretário, o que mais chama a atenção é o fato de que logo no dia 2 de abril o dinheiro foi empenhado e quatro dias depois, 6 de abril, foram pagos os R$ 3,3 milhões, totalizando R$ 5,3 milhões, como se o serviço tivesse sido feito. “Diante de tantas irregularidades decidimos paralisar a obra, levar o caso para o Ministério Público e esperar uma decisão da justiça maranhense”, ressaltou.

fotocostarodrigues2.jpgO dono da Maresias Construções, Leonardo Arcoverde, ao receber o termo de paralisação, conversou com o secretário Roberto Costa e argumentou que a sua parte está sendo feita e que espera que o problema tenha logo uma solução.
Projeto

O projeto pago e não realizado previa construção de arquibancada com capacidade para 1.800 pessoas, quatro alojamentos para acomodar 84 pessoas, salas de administração, 10 salas destinadas às federações esportivas, entre outros espaços.

Cronograma de Pagamentos
25/11/2008 – Decretado estado de emergência para reforma do Costa Rodrigues.
26/12/2008 – Firmado o contrato da reforma.
02/01/2009 – Dada a ordem de serviço.
12/02/2009 – 1º pagamento de R$ 1.125.076,26.
27/03/2009 – 2º pagamento de R$ 709.975,62.
01/04/2009 – Aditivo de R$ 3.397.944,90 para reconstrução do ginásio.
06/04/2009 – Pagamento da última parcela da reforma (R$ 153.454,96) e de R$ 3.380.641,22 do aditivo da reconstrução.

Saiba mais

2 comentários para "Obra no Costa Rodrigues parada por irregularidade"

  • Washington-DF

    Tava muito bom pra ser verdade!

  • Ricardo André

    Mais uma vez, assistimos embargos de obras que no fim das contas não resultam no que se espera do exercício da justiça, O mais apropriado seria o sequestro dos bens de Weverton Rocha, que ri, desdenha, debocha, brinca com o Tribunal de Contas do Estado e Tribunal de Justiça do Estado, com desrespeito típico que expressa nas entrevistas que concede, essa semana mesmo vimos mais um exemplo.
    Ao final das contas, será a população quem vai pagar pelo prejuízo, quer dizer, já começou a pagar, os Jogos Universitários poderiam te sido muito melhores se acaso a obra estivesse terminada.
    Espero que essa decisão seja bem avaliada pelo Ministério Público, de modo que não seja a população a prejudicada, que não resulte numa retomada da obra que acabe em péssima qualidade das instalações esportivas, denominação mais apropriada no cenário internacional e que os grandes responsáveis por esse desvio gigantesco não escapem de bom grado como temos visto em nosso país.
    Em nosso país ainda impera de pé a constatação de que as políticas voltadas ao esporte e lazer padecem de problemas de ordem conceitual e de domínio operacional, que resultam nessas desastrosas consequências da má versação dos recursos públicos.
    Esperava de bom grado que as notícias referentes a finalização da obra fossem outras e não essa que recebemos hoje.
    É uma pena, uma realidade lastimável para o esporte e lazer em nosso Estado.
    Ricardo André
    Mestre em Gestão Desportiva
    Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.