Celso Teixeira no CSA

Após a derrota na primeira rodada do Campeonato Brasileiro da Série D, para o Santa Cruz, por 3 a 0, o CSA-AL já trocou o comando técnico da equipe. Saiu Freitas Nascimento, que acertou com o Campinense-PB, da Série B, e chegou Celso Teixeira.

Sem perder tempo, o novo treinador já avaliou o grupo e deve promover algumas dispensas. Aliás, antes mesmo de Teixeira chegar, alguns jogadores deixaram o CSA.

O goleiro Jeferson não faz mais parte do elenco, assim como o atacante Júnior Amorim. Este último sofreu uma lesão e segundos médicos, essa lesão pode encerrar a carreira dele.

Celso Teixeira já teve passagens por outros clubes alagoanos, como Coruripe e o Corinthians, onde foi campeão estadual no ano de 2004. Outro titulo de expressão de Teixeira é o Campeonato Paraibano de 2001, com o Treze. O último clube de Teixeira foi o União Barbarense. 

Agência Futebol Interior

2 comentários para "Celso Teixeira no CSA"

  • Washington-DF

    Prezado Zeca.
    Gostariamos muito que fizesse uma matéria relatando como está o andamentos das obras do Estádio Castelão, como ele ficará depois das obras, faz tempo que ninguém fala sobre as obras do nosso Castelão seria interessante uma matéria com esse assunto…
    Aguardo respostas.

  • Arley - o novo Tímon do Maranhão (lembrando João Lisboa).

    Washington…
    Não sei como o Zeca te responderá, mas o certo é que o Castelão ainda não está pronto e nem sei se ficará para alguma coisa. O ex-governador Jackson Lago deu início às obras, gastou muito dinheiro, assustou o ministro dos esportes pedindo mais e não fez praticamente nada. Ademais, do jeito que está o futebol local, não há mesmo muito interesse. Infelizmente, amigo, estamos no Estado LASCADO da Federação, sim porque pobre é o Piauí que, mesmo assim, tem melhores indicadores sócios econômicos e educacionais que o nosso. Gostamos mesmo é de bagunça, de estádios ridículos como o Nhozinho Santos, encravado em uma espécie de vila sem acesso decente, sem estacionamento, com animais (jumento) passando em frente da entrada principal e despejando esterco a por aí vai. Há pouca visão, até nisso, em nossos dirigentes e políticos. Acredite, levaram até o ministro dos esportes ano passado para ver o tal estádio, como o fizeram com o Castelão, não deu outra: pediram mais dinheiro para melhorar suas condições – incrível. O atual prefeito, João Castelo diz que vai melhorar este último. Ou seja, continuamos na mesma, sem Castelão e com o criticado Nhozinho Santos (criticado pela imprensa nacional – Márcio Guedes – fui testemunha em São Paulo – como um lixo). E na verdade, é mesmo, ou pelo menos depósito de esterco (vá assistir algum jogo e sinta o odor na entrada das sociais e confirme com o objeto em questão atirado no asfalto). Assim, não espere muito amigo, pois é mais fácil O JV Lideral de Imperatriz transformar seu CT em um estádio (pois eis que, provavelmente, digo provavelmente, nasceu um clube, pequeno ainda, porém mais organizado que os nossos da capital) do que vermos qualquer mudança decente nas mentes pretensiosamente sãs da capital. No mais, precisamnos sim de um bom estádio, mas para o campeonato local outro pequeno, para 30.000 espectadores no máximo, mas deveria ser construído em outro local (já disse várias vezes aqui que o aterro do Bacanga é propício por inúmeros motivos), e não maqueando-se o já anacrônico Nhozinho. Assim, seria respeitado o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto do Torcedor, coisa que parece não haver nenhuma fumaça de esperança, como pretensão, nas mentes dos que comandam o nosso futebol na capital e, dos políticos matreiros que se aproveitam, reiteradamente, para se dar bem a custa da ingenuidade do nosso povo.