Paysandu

O volante Paulo de Tárcio está fora da estreia do Paysandu na Série C do Campeonato Brasileiro, domingo, contra o Sampaio Corrêia (MA). No ano passado, o jogador foi punido com dois jogos de suspensão pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), por ter sido expulso diante do Rio Branco (AC), na Terceirona de 2008. Como cumpriu apenas a partida automática, ele não poderia entrar em campo na primeira rodada da Terceirona. A informação foi passada à diretoria ontem, pelo próprio atleta.

Mas o departamento jurídico do Paysandu ainda tenta deixar liberar o jogador para enfrentar o Tricolor maranhense. O advogado do clube enviou documento ao STJD, pedindo que o restante da punição de Paulo de Tárcio seja transformado em ação social. Ele doaria algumas cestas básicas a instituições de caridade e, em troca, estaria livre para jogar. O mesmo procedimento foi feito em relação ao técnico Edson Gaúcho, que cumpre suspensão de 30 dias por ter sido denunciado por invasão de campo no jogo contra o São Raimundo, em Santarém, pelo Parazão.

Ontem, em Barcarena, onde o time bicolor se prepara para a Terceirona, Paulo de Tárcio lamentou a provável ausência na estréia do Papão: ‘É muito chato ficar de fora justamente no primeiro jogo, quando a equipe mais precisa de um bom resultado para dar uma boa largada’, disse. O meio-campista lembrou que sua expulsão ocorreu num lance em que disputou jogada com o meia Rossini, hoje seu companheiro de trabalho no Paysandu. ‘É até engraçado que hoje o Rossini esteja aqui com a gente. Mas o futebol tem dessas coisas’, disse. O meio-campista teve boas atuações nas duas partidas da final do Campeonato Paraense: ‘Vai quebrar um pouco a boa sequência que eu vinha tendo’, lamentou. ‘Mas quem entrar no meu lugar, com certeza vai dar conta do recado’.

Balão

O técnico do Paysandu, Edson Gaúcho, tenta encontrar uma saída para o desfalque. O atacante Balão foi escalado na ala direita, com o lateral-direito Alex Sandro sendo mantido no meio-campo, onde foi bem nos últimos jogos.

Balão garante que pode jogar fora de sua real posição. ‘Já joguei por ali. Se o treinador precisar, jogo sem o menor problema’, garante. O atacante tem esperança de permanecer no time: ‘Tenho treinado como titular, o que me dá uma esperança de entrar jogando’.

O Liberal

Seja o primeiro à comentar em "Paysandu"