Sem convencer, Náutico vence o Moto

moto.jpg

 Não deu. O Moto não conseguiu superar o Náutico nesta quarta-feira, no Estádio dos Aflitos. O time maranhense perdeu por 2 a 0 para um Náutico que não mostrou um bom futebol. Em um jogo em que o Moto teve algumas chances claras de gol, o time maranhense foi infeliz nas finalizações e acabou sendo derrotado em Pernambuco. Com o resultado, o rubro-negro dá adeus à Copa do Brasil.

Primeiro Tempo – Timbu em vantagem

O jogo começou em ritmo acelerado por parte do time pernambucano. Logo com 1 minuto, o Timbu assustou o Moto. O ataque do Náutico envolveu a defesa motense e em jogada pela direita, a bola acabou chegando nos pés de Carlinhos Bala, que na pequena área e com o goleiro Flaubert completamente batido, conseguiu perder um gol incrível, mandando a bola no travessão.

O Náutico continuou pressionando e aos 5 minutos, Johnny chutou rasteiro e Flaubert defendeu sem perigo. O Moto parecia assustado e não conseguia realizar uma marcação eficiente contra o ataque do Timbu.

Aos 13 minutos, o Moto resolveu colocar a bola no chão. Em boa jogada individual pela esquerda, o meia Kelson cruzou na cabeça de Diego Souza, que não conseguiu colocar potência na cabeçada. No entanto, o goleiro Eduardo espalmou a bola e a defesa do Náutico chegou antes de Rubsen e jogou a bola para escanteio.

O Náutico, que não mostrava um bom futebol, mas chegou ao gol aos 22 minutos. Carlinhos Bala levantou a bola na área, o atacante motense Diego Souza, que foi ajudar na marcação, afastou mal a bola para o meio da área. Na sobra, Johnny emendou de primeira, sem chance de defesa para Flaubert. Aberto o marcador no Estádio dos Aflitos. Náutico 1 x 0 Moto.

Aos 26 minutos, Rigo fez boa jogada pela esquerda. O estreante cruzou rasteiro e a bola passou por toda a defesa Timbu e chegou nos pés de Kelson, que sem marcação na grande área, chutou forte e Eduardo fez uma linda defesa jogando a bola para escanteio. O Moto perdeu uma grande oportunidade de igualar o placar.

Apesar da oportunidade, o Moto estava sem criatividade. O Rubro-Negro saía para o jogo em chutões dados pela defesa. Enquanto não criava chances de gol, a defesa motense dava sinais que não estava segura. Em duas oportunidades, os zagueiros do Moto entregaram a bola nos pés dos atacantes do Náutico, que foram infelizes nas conclusões.

No último lance do primeiro tempo, novamente Kelson avançou pela esquerda. O jogador cruzou rasteiro e a bola bateu no defensor do Náutico e por pouco o empate do Moto não ocorreu. Fim do primeiro tempo. Náutico 1 x 0 Moto.

Segundo Tempo – Um jogador a mais

A segunda etapa começou muito lenta, quase parando. O Náutico estava conformado com o resultado que lhe dava a classificação e pouco foi ao ataque. Enquanto isso, o Moto também não acelerava o jogo. Mas aos 10 minutos, a equipe maranhense ficou com um jogador a mais em campo. O zagueiro Asprila recebeu cartão amarelo por falta forte em Domício. Na sequência, o jogador reclamou com o juiz e recebeu o cartão vermelho.

Com um jogador a menos em campo, o Náutico começou a abusar das faltas. Já o Moto, começou a tomar conta da partida. Aos 14, a torcida motense soltou o grito de gol, mas o Rubsen estava impedido. Dois minutos mais tarde, o Moto conseguiu cruzar pela esquerda e a bola chegou para Jean Carioca. O zagueiro motense chutou para fora.

O Moto gostou do jogo e aos 18 minutos, Cleyton lançou Rubsen, que diante do goleiro Eduardo chutou. A bola tirou tinta do poste. O técnico Cristiano Baggio mexeu no time com o intuito de conseguir o gol de empate, mas a defesa ficou desprotegida e o Náutico ameaçava o gol de Flaubert com chutes de longa distância.

Aos 42, Gilmar avançou e entrou na grande área. O atacante não perdoou e chutou forte sem chance para Flaubert. Náutico 2 x 0 Moto.

Nos acréscimos, Rigo teve a chance de descontar, mas chutou em cima do goleiro. Na sequência, o próprio Rigo foi expulso. Fim de jogo nos Aflitos: Náutico 2 x 0 Moto.

Reportagem: Paulo de Tarso Jr.

5 comentários para "Sem convencer, Náutico vence o Moto"

  • ACR Motense

    Primeiro, não merecíamos Laércio e Fontenele: Dois q nasum conhecem futebol e saum muito ruins mesmo… Peloamordedeus, eles são os piores…
    Fora isso, e fora o Moto ter sido garfado (se essaz porcas do futebol maranhense sabem, quem naum esta participando do jogo nao joga) o Moto terIA EMPATADO, fora aquele juizinhio caseiro… Filha da puta!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! pAPÃO mostrou que é a maior e, >>>>>, a melhor do Maranhão

  • de olho

    Primeiro o Nautico é ruim que dói, depois o Moto não existe, entre o RUIM que dói e o que NÃO EXISTE, deu o RUIM que dói!!

    Zeca é verdade que o time do Moto comemorou a derrota porque não foi de goleada???, Realmente “NÃO EXISTE”.

    RESPOSTA: Não é verdade não. Os jogadores e comissão técnica lamentaram as oportunidades perdidas e que poderiam ter mudado a história do jogo. O técnico do Náutioco elogiou e mostrou respeito muito grande ao Moto. A imprensa pernambucana também, principalmente após o jogo, antes, o clima era de goleada.

  • Fábio

    Antes de qualquer coisa gostaria de parabenizar a mirante pela transmissão, para ganhar um 10 só falta substituir o Fontinelle. Caramba!!! Ele é muito ruim, sem falar que ficou secando o time o jogo todo. Já com relação ao Moto na minha modesta opinião o time teve medo de ganhar, passou o segundo tempo inteiro com um jogador a mais e não se aproveitou. Deveria ter partido com tudo. Outra coisa, existe uma cartilha que ensine jogar futebol? Se existir por favor entregue uma urgente para o Diego. Rebotear a bola para frente da zaga é básico. Por mim deixa ele lá mesmo.

    Cléber Verde.
    Segue a minha lista de dispensados.
    Vice-presidente Carioca
    Domicio
    Kelson
    Léo
    Diego

  • Arley

    Como diz um amigo meu mineiro – os motovicenses. Sim, os motovicenses são engraçados. Levaram uma surra em dois jogos pelo estadual e simplesmente sumiram. Agora reaparecem como que por encantamento no blog depois de perderem apenas de dois a zero e começam a flamejar sua grandeza absoluta. Ora bolas!!!! Todas as vezes que, de maneira global, foram realizadas pesquisas sobre o número de torcedores quem venceu foi o Sampaio. Nos anos oitenta o programa ICM da sorte não deixou dúvidas!!! A esmagadora maioria dos maranhenses registrou em seus boletos o Sampaio Corrêa. Quem ainda se lembra disso. Agora, conferir a loteria Timemania viciando os boletos é fácil, sobretudo porque a torcida do Sampaio sim é que povão, pescadores, agricultores de baixa-renda, pessoas simples que não possuem meios sequer para a sobrevivência. A não ser que a influência do Flamengo, semelhantemente rubro-negro, tenha contaminado as novas gerações não há como os motovicenses cantarem vitória. Ademais, meu caro Zeca, vc não acha que entre os anos oitenta e dois mil quem mais venceu campeonatos foi o Sampaio… Se estiver enganado me corrija. Contudo, vale ressaltar que campeão brasileiro, sérias B e C só o Sampaio possui e isso parece doer tanto que o complexo de cachorro vira-latas em parceria com a síndrome de Estocolmo dos motovicenses não os apazigua o espírito!!! É conhecido que as torcidas aumentam conforme o número de títulos. Foi assim que o São Paulo emergiu para o patamar de terceira maior torcida do Brasil. Sinceramente, não é o caso do Moto que sequer floresce no cenário nacional ao ponto de jamais ter ganho alguma coisa em termos nacionais. Ademais, a revista placar tem razão – critério objetivo de ranking só pode ser apurado em funão das conquistas. Isso infelizmente não ajuda os motovicenses.

    RESPOSTA: Já escrevi aqui no BLog que o sampaio venceu a maioria dos títulos na década de 80.

  • RONALD

    LAMBRETA SAI DA TACAAAA, COM UM JOGADOR A MAIS DURANTE TODO O SEGUNDO TEMPO A MEDIOCRE LAMBRETA NÃO CONSEGUIU MARCA UM GOL SE QUER, AINDA LEVOU UM, QUE MEDIOCRIDADE, AGORA O LANTERNA DO CAMPEONATO MARANHENSE TEM 30 DIAS PARA TREINA, TREINA E TREINA E OLHAR O SHOW DE BOLA QUE A BOLIVIA QUERIDA VAI MOSTRAR A SEU UNIVERSO DE TORCEDORES, CUIDADO COM O REBAIXAMENTO LAMBRETA, PERGUNTAR NÃO OFENDE QUANDO A LAMBRETA VAI GANHAR SEU PRIMEIRO JOGO EM 2009, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, FUI