Um time que teve medo de vencer

brasili040309.jpgO torcedor do Moto tem razões de sobra para continuar desconfiando da sua equipe. O time rubro-negro entrou em campo apenas para não perder o jogo. Do outro lado havia um adversário da 1ª divisão é verdade, mas um time comum. O Náutico não era nenhum bicho papão.

Depois de um primeiro tempo equilibrado, com chances ora para o Moto, ora para o Náutico, o representante maranhense retornou para o 2º tempo e logo a 3 minutos fazia 1 a 0 e parecia arrancar para a vitória.

A defesa estava muito bem e ganhava todas as jogadas. Flaubert em grande noite fazia grandes defesas.

Mas o gol parece ter feito muito mal ao Moto. O técnico Brasília trocava atacantes por jogadores de meio-campo numa tentativa de garantir o placar. Era cedo demais.

O Náutico buscava o ataque. O técnico Roberto Fernandes mudava as peças e colocava o time cada vez mais no ataque. O resultado todos puderam ver. Em um único vacilo da defesa e Carlinhos Bala deixou Gilmar na cara do gol para empatar a partida.

O gol deu ânimo ao Náutico e aumentou o sufoco do Moto. As substituições promovidas pelo técnico Brasília não surtiam qualquer efeito e o jogo virou ataque contra defesa.Brasília voltou a repetir a tão cansada explicação da falta de ritmo. Talvez por isso nunca pensou em vencer.

No final, o Moto de Brasília alcançou o seu objetivo e não perdeu o jogo. “Valeu Brasília!” A decisão agora fica para o Estádio dos Aflitos, em Recife. O Papão terá que fazer na terra do Frevo o que não fez na sua própria casa porque teve medo de vencer.

O Moto precisa de uma vitória simples ou de um empate de 2 a 2 em diante para se classificar. Um outro resultado de 1 a 1 levará a decisão da vaga para a cobrança de pênaltis. O Timbu joga por um empate de 0 a 0 ou por uma vitória simples.

Uma resposta para "Um time que teve medo de vencer"

  • ACR Motense

    Zeca, não entendi a postura da equipe ontem. O time respeitou demais o Náutico. O técnico Brasília mais uma vez mexeu mal, colocou o time atrás, tirando atacante. Nas poucas vezes em que o Moto apertou a marcação, conseguiu criar jogadas, o que me permite concluir – exatamente como vc – que o Náutico, apesar de ser um time de primeira divisão e de muito mais investimento, não é lá grande coisa. Se o Moto tivesse mais coragem – e isso credito exclusivamente ao técnico, que certamente orientou os jogadores a esperar o Náutico – poderia ter conseguido a vitória.
    Outra coisa: o preparo físico do Moto tá uma merda… O time morreu depois dos 25min do segundo tempo. A diretoria tem que cobrar mais do preparador físico, o Náutico voou até o final e nós morremos.