Por favor, não leve seu cachorro à praia!

O alerta está postado no Blog da ONG SOS Praias Brasil e chama atenção para o perigo que os animais domésticos oferecem à beira-mar.

Levar o seu cachorro para a praia pode ser muito mais nocivo do que se imagina e notícias recentes mostram que não se trata apenas de uma questão de saúde pública. A mania que se espalha pelo litoral brasileiro, constitui, antes de tudo, uma tremenda falta de respeito com os freqüentadores das areias, principalmente as crianças.
 
Atuante em diversas praias do litoral brasileiro, a ONG SOS Praias Brasil publicou em seu Blog um texto enviado por Irineu Nalin, que trata de um assunto importante para aqueles que freqüentam o litoral. Infelizmente, a cena de cachorros passeando nas areias é comum, seja ao lado de seus donos ou abandonados.
 
Nos últimos meses, publicações referentes ao tema, presentes em grandes veículos, instruíram a população, denunciaram seus efeitos e chamaram a atenção de movimentos civis e ONGs que tratam do assunto.
 
A Rede Globo veiculou extensa matéria sobre o problema dos cachorros nas praias do Rio de Janeiro. Em Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo, ampla reportagem publicada em “A Gazeta”, mostrou que análises efetuadas com a areia indicam sua contaminação com sérios riscos aos seus usuários.
 
Vale lembrar, nas praias, a decomposição das fezes caninas – além do cheiro desagradável que emana – favorece o desenvolvimento de micoses de pele, parasitas intestinais e da larva migrans, tradicional bicho geográfico. Doenças que atacam principalmente as crianças pequenas.
 
Os adultos se infectam pelo costume de não andarem calçados, já as crianças sofrem mais. “Em determinadas fases de nossa evolução natural, as crianças tem a mania de colocar tudo na boca, inclusive areia. Ingerir fezes caninas pode ser muito perigoso”, ressalta a pedagoga pós-graduada pela USP, Cristiane Tabach.
 
No litoral norte de São Paulo, isso é uma discussão antiga e o problema parece insolúvel. Na cidade de São Sebastião, na praia de Guaecá, por exemplo, a comunidade financia campanhas com enormes faixas, além de distribuir folhetos informativos e nada melhora.
 
“Este problema só se resolverá através de ações conjuntas: de educação ambiental e fiscalização, aplicando as multas previstas e apreendendo os animais, alguns perigosos que avançam nas pessoas, outros doentes. Providência que deveria começar já visando à temporada que se aproxima”, alerta o texto postado no Blog.
 
A SOS Praias defende que deveria haver uma pena para cada infração cometida pelo animal, além das multas previstas em Lei. Sempre ressaltando que o infrator – o dono do cachorro – deverá participar de um extenso curso de reeducação e cumprir tarefas semanais de limpeza e higienização de sujeira em locais públicos.
 
Ação – Atuante desde 1999, a ONG SOS Praias Brasil percorre as principais praias do país em sua motohome (uma espécie de casa sobre rodas). Em cada parada, monta seu escritório na areia para alertar banhistas e freqüentadores do litoral que lixo na praia não pode virar moda, uma de suas ações para a conscientização ambiental. De lá pra cá, muita sujeira já foi retirada graças ao esforço do casal e fundadores Marcelo Marinello e Heloisa de Azevedo.
 
Outra luta que eles se empenham é sobre o descaso das autoridades quando o assunto é a poluição das praias brasileiras. No site da ONG, os internautas podem contribuir e muito para a melhora do litoral, conseqüentemente, do planeta e da qualidade de vida de seus habitantes. Para isto, basta imprimir o formulário referente ao abaixo assinado que exige a despoluição das praias.
 
“Precisamos chegar a um milhão de assinaturas e pedir por socorro aos nossos governantes que construam, urgentemente, estações de tratamento de esgotos nos municípios litorâneos brasileiros”, suplica Heloisa. Ela lembra que 2008 foi eleito pela ONU (Organização das Nações Unidas) como o Ano Internacional do Saneamento Básico.
 
Atualmente, 200 milhões de toneladas de esgoto não tratado são despejados diariamente nas praias e mares, colocando em risco à saúde da população. Só para ter uma idéia, nos esgotos domésticos vários organismos causadores de doenças podem ser encontrados, como vírus (gastroenterite, meningite e hepatite), bactérias (leptospirose, tifo, salmonelose, disenteria bacteriana e cólera), protozoários e helmintosporos (ascariase e teniase).
 
Quem desejar apoiar ou patrocinar esta causa, basta acessar www.sospraiasbrasil.org.br. Contatos pelo telefone (11) 8428-3802 ou e-mail sospraiasbrasil@gmail.com
 
Empresas que possuem o compromisso com a responsabilidade social e ambiental apóiam o projeto. Entre elas estão Oakley, Gretta Silk, UOT (Union Ocean Team), Nokynoy, Fama Assessoria, Esfera Soluções e site E-Radicais (uai.eradicais.com.br).

Uma resposta para "Por favor, não leve seu cachorro à praia!"

  • DIANA SERRA

    AQUI EM SÃO LUIS OCORRE O CONTRÁRIO: OS CÃES PODEM SER CONTAMINADOS COM O ALTÍSSIMO GRAU DE COLIFORMES FECAIS NA AREIA E ÁGUA PROVENIENTES DO ESGOTO A CÉU ABERTO DOS PRÉDIOS. DA BOSTA DOS HUMANOS E NÃO DOS ANIMAIS.
    AGORA QUEREM CULPAR OS ANIMAIS POR ISSO TAMBÉM? TAPAR O SOL COM PENEIRA FURADA?
    CONCORDO QUE TUTOR LIMPO É AQUELE QUE PASSEIA COM O SEU ANIMAL, MAS RECOLHE OS SEUS DEJETOS E TENHO CERTEZA QUE SE OS ANIMAIS TIVESSEM MÃOS EM VEZ DE PATAS O FARIAM, DANDO EXEMPLO AOS HOMENS. É SÓ VER OS EXEMPLO DOS GATOS, QUE ENTERRAM AS SUAS FEZES.
    CADÊ OS MPS, AS SECRETARIAS DE MEIO AMBIENTE, A VIGILÂNCIA SANITÁRIA, O PAPA, ETC??????
    PARABÉNS À ONG SOSPRAIABRASIL.