Adeus, a um cara que viveu o rádio na sua intensidade. Descanse em paz, “internacional’

A morte é mesmo algo com o qual talvez nunca iremos nos acostumar. É repentina e provoca uma dor insuportável, pois marca a despedida corporal, daqueles que mais amamos. Quem já passou, sabe o quanto é difícil. O quanto é dolorido. O quanto é ruim.

E, assim está sendo, nesta despedida do guerreiro e combativo Deny Cabral. Dolorido. Muito dolorido.

Um profissional de mão cheia. Um cara louco pelo rádio. Que vivia aquilo, com uma intensidade de quem vive a grande paixão da vida. De quem faz, como se fosse a última coisa a realizar aqui na Terra. Que respirava a informação e o detalhe em cima de cada lance. E, que sabia fazer, com uma competência que poucos tem.

Um trabalhador da comunicação, como não vemos nos tempos modernos. Feito e refeito ao rádio AM e que tinha aquilo em seu sangue. Na sua alma.

Não é porque falaceu, que estamos enaltecendo suas qualidades. Mas, é porque assim que o Deny era. Profissional e amante da boa informação e da comunicação. Gostva de fazer rádio. Amava isso!

A prova: os telefones da Rádio Mirante AM – São Luis, estiveram congestionados durante toda a sexta – feira (1). Eram manifestações de uma ponta a outra do Maranhão e até de fora do estado, com ouvintes, empresários, políticos, desportistas, colegas de profissão, radiodifusores… Todos ligando na emissora que ele defendeu com tanto ardor, para dar a mensagem de solidariedade a sua família e deixar uma palavra de afeto e carinho a esse nosso amigo que se vai. 

Me acostumei a ouvi – lo, desde que chegou na Rádio Mirante, no ano de 2000. Foi naquele mesmo ano que participei pela primeira vez “ao vivo” na programação da emissora do São Franciso, durante a cobertura das eleições municipais. E, entrei justamente depois de uma partcipação do Deny direto do TRE. Foi ele quem me chamou no ar. Eu falava da cidade de Ribamar Fiquene, na Região Tocantina, anunciando o novo prefeito daquele municipio, Ita Alves, também já falecido. Eu só tinha 20 anos de idade. 

E, foi a partir daquele instante que virei fã de carteirinha da programação Mirante. Um ouvinte abnegado mesmo.

Desde 2003, a Rádio Mirante AM de Imperatriz, retransmite a programação da Rede Mirante gerada em São Luis. E, desde esse mesmo ano, sou colaborador da rádio, transmitindo notícias de Imperatriz e Região Tocantina.

Com o Deny Cabral, tive grandes momentos. Um deles e o mais marcante de todos, foi quando ele em substituição ao Marcial Lima, comandou o “Domingo Mirante”, na segunda partida da final do segundo turno do Campeonato Maranhense de 2005. Era uma programação especial de expectativa para o jogo entre Moto x Impertriz. Deny no comando e eu entrava “ao vivo” de Impertariz, circulando as ruas e avenidas da cidade, conversando com os torcedores e trazendo a opinião do povo imperatrizense sobre a decisão. E, naquele dia, Deny deu show. Estava sendo do jeito que ele gostava. Foi show, mesmo! Por onde pássavamos não se ouvia outra rádio, a não ser a Mirante AM. E, lá estava o Deny anunciando: “daqui a pouco tem Moto x Imperatriz na Mirante. É decisão! Gilson Rodrigues narra para a Mirante São Luis e Marcelo Rodrigues, comanda para as rádios Mirante e Nativa de Imperatriz”.

Depois disso, repetimos a dose outra vez. Foi no domingo seguinte, logo na decisão do Campeonato Maranhense 2005. Ele mesmo me ligou, dando umas orientações, pra que afinássemos ainda mais o trabalho e repetíssemos o sucesso da semana anterior. Até ali, não o conhecia pessoalmente, mas, fiquei lisonjeadíssimo pelo carinho, serenidade e o respeito com que me tratou naquele telefonema. Afinal de contas, eu era apenas um garoto, que teve a ousadia de estar junto com ele naquela decisão. E, não deu outra: repetimos o mesmo sucesso e a Mirante AM, mais uma vez foi líder absoluta na audiência aqui em Imperatriz, antes e durante aquela partida histórica contra o Moto, que nos deu o primeiro título de campeão de futebol.

Tivemos outros bons momentos também, como nas Eleições 2006 e em abril do ano passado, na Assembléia Legislativa, quando o prefeito de Imperatriz, Ildon Marques, recebeu o título de cidadão imperatrizense. Lá estava Deny, sempre alegre e comunicativo. Me recepcionou com muita simpatia e deu um abraço ainda mais caloroso, em seu parceiro de outras jornadas, Marcelo Rodrigues, que nos acompanhava naquela manhã. A tarde, ainda nos recontraríamos na redação rádio, onde seria nosso último encontro. Foi um bate – papo alegre, envolvente, descontraído. Bacana, mesmo! Eu, Geraldo, Carlito, Douglas Pinto, Mário Carvalho, Lydia e Deny. Saudades…

Em 2007, a TV Mirante realizou um feito inédito no Maranhão. Transmitiu em regime fechado, direto do estádio Nhozinho Santos, a partida da final do segundo turno do Campeonato Maranhense, para um sistema de telões instalado no estádio Frei Epifânio aqui em Imperatriz. E, o narrador escalado para esta jornada foi o Deny Cabral, que ao lado do Werton Araújo, mais uma vez deu show de bola e mostrou com grandiosidade e maestria, suas habilidades na locução esportiva para televisão. Nesse dia, o Frei Epifânio, recebeu quase 8 mil torcedores, que sairam de casa, para ver os jogos nos telões com a narração de Deny Cabral.

Você deixa saudades em nossos corações Deny Cabral. Os seu colegas, cronistas esportivos aqui de Imperatriz estão todos tristes, porque tú sintetizavas, tudo aquilo que o rádio representa pra nós: a informação precisa e os lances do esporte a cada instante. 

Eu, juntamente com Marcelo Rodrigues e todos da crônica, sem exceção, esperamos que tenhas mais sucesso aí no andar de cima e sempre esteja por aqui, ao nosso lado, nas muitas jornadas que teremos pela frente.

Descanse em paz, “Internacional”! Que Deus lhe proteja, agora e sempre!

Você deixa saudades em nossos corações.

Obrigado por tudo!

Obrigado.
 
MARCELO RODRIGUES JÚNIOR
Radialista

Seja o primeiro à comentar em "Adeus, a um cara que viveu o rádio na sua intensidade. Descanse em paz, “internacional’"