De Curralzinho para a eternidade

Todos nós que integrávamos a Família de Deny Cabral perdemos um pedaço nosso com a ida prematura do “INTERNACIONAL”, sei até que ele já nem gostava mais dessa alcunha, mas era verdadeira afinal ele saiu de Curralzinho- interior de Pinheiro, para brilhantes jornadas em diversos países.

Deny foi e sempre será um exemplo para todos nós que estamos no jornalismo, quando cheguei para a Rádio Educadora em 1998 e passei a trabalhar diretamente com ele, e na chegada o nosso coordenador Zeca Soares me disse “Faça metade do que o Deny faz que você será um dos melhores no rádio maranhense”, devo confessar que não gostei de ouvir e achei estranho, mas depois com o convívio do dia-a-dia com Deny, entendi perfeitamente o que o Zeca quis dizer. Deny só teremos um, o cara era bom, era corajoso, era doido, era sempre bem disposto, era inteligente, astuto, vivia a notícia como ninguém, mas o que mais me impressionava era a sua loucura, sua paixão pelo Rádio AM, até mesmo internado no Hospital UDI, o seu companheiro inseparável, o rádio, estava lá, sempre ligado na Mirante AM, sempre ouvindo os companheiros.

Deny é um exemplo a ser seguido como homem, ele não tinha vergonha de contar que saiu de Curralzinho, onde pescava para sobreviver, para escrever seu nome na estória do jornalismo maranhense. Além disso, era um excelente pai de família, ótimo marido e excepcional pai, posso afirmar isso, pois por diversas vezes ouvi isso da própria Rosângela Cabral (esposa) e de seus filhos (Diogo e Isabela).

Nos quatro últimos anos a nossa amizade deixou de ser apenas profissional para ser pessoal. Com Deny e Rosângela, eu e Cynara (minha esposa) vivemos momentos de muita alegria, que diga os espetinhos espalhados pela cidade, onde nos encontrávamos geralmente as quartas e sextas-feiras, para jogar conversa fora. A convite de Deny passamos juntos com nossas famílias a virada de ano 2007 para 2008 no Restaurante Mirante no Araçagy e o carnaval deste ano em Barreirinhas, em Tapuio. E foi difícil ontem à noite para mim responder para a pequena Victória (minha filha de cinco anos) que com lágrimas nos olhos perguntou, “Pai, tio Deny morreu?” Não consegui nem responder, nem me segurar, apenas deixei as lágrimas rolar.

Mas prometi para mim mesmo que não ficaria triste, afinal tive o prazer de ser amigo desse cara, um amigo de sua confiança e sei que ele gostava muito de mim e de minha família, fui um privilegiado. Ontem não tive escolha, quando o Roberto Fernandes teve a ingrata missão de anunciar para todo o mundo, digo isso, pois até o ex-técnico do Moto, Édson Porto, me ligou de Portugal para desejar os pêsames, queria ter continuado a transmissão do jogo entre Moto e Bacabal, não sei se teria forças, mas queria ter tentado, acho que seria uma grande homenagem a esse louco por rádio e apaixonado motense.

Curiosamente a última vez que trabalhamos juntos em uma jornada esportiva, foi no dia 02 de julho, num Moto e Bacabal, onde ele pediu para o Gil Porto para trabalhar comigo, confesso que senti orgulho, pois entendi que ele tinha prazer em trabalhar ao meu lado, assim como eu tinha em trabalhar ao seu lado e não foram poucas vezes. Viajamos o nordeste inteiro com as transmissões da seleção maranhense de beach soccer e diversos jogos de futebol por todo o Brasil. Recentemente passei a acompanhá-lo na Assembléia Legislativa e é claro aprender com Deny o jornalismo político.

Sei que ele foi fundamental para a minha contratação, tanto para o jornalismo esportivo quanto para o jornalismo político, foi ele quem me indicou ao Zeca Soares, serei eternamente grato e tentarei sempre honrar essa confiança.

Não sei como comecei a escrever e nem como terminar, mas achei que precisava escrever, como não tenho um blog, agradeço ao Zeca pelo espaço. Ano passado perdi outro grande amigo, quase um “pai”, o inesquecível Raul Menezes e agora perco um “irmão”, Deny Cabral.

Como disse o Zeca isso não estava combinado, e nem previsto para agora, mas Zeca, no rádio é assim, é improviso, é de supetão, por isso é apaixonante, e Deny não poderia partir de outra forma. Vá com Deus DENY, obrigado por tudo, nós jamais te esqueceremos e sempre te amaremos.

Por Jorge Aragão, radialista e advogado

Uma resposta para "De Curralzinho para a eternidade"

  • Vitorioso

    Zeca , Meus Pêsames a Vc e a toda equipe da Mirante ,

    Como ouvinte de rádio passei a adimirar o radialista Deny Cabral desde a Rádio Educadora + só Tive a oportunidade de conversar com ele 1 vez apenas,a pouco a cerca de 2 anos qdo ele ja estava na Mirante ….. foi na Praia do Araçagi onde eu aproveitava com meus filhos (crianças) o Sol frio de uma manhã de sábado nas primeiras horas do dia , então apareceu caminhando na areia o glorioso Deny Cabral, Eu resolvi esquecer minha discrição e me apresentei ao Deny , até pq na época eu era anunciante da MIRANTE ,

    Eu estava com meus filhos numa pôça dagua na beira da praia, qdo apareceu o Deny , conversamos por +- 1 hora sobre os mais variados assuntos , lógico que o futebol e o Moto Clube esteve presente no diálogo , Esta foi a 1* e última vez que o destino nos pôs lado a lado ,

    Apesar de diolagar-mos pouco tempo , percebi a paixão do Deny pela Vida, futebol e sempre informado sobre os assuntos do Moto Clube ,

    Que DEUS o tenha .

    .