Macaca do maranhense Bilica na decisão do Paulistão

Aranha pega tudo e Ponte está na final

Mesmo com um jogador a menos na etapa final, a Macaca derrota o Guaratinguetá

O goleiro Aranha fez defesas milagrosas e pegou até pênalti, a Ponte Preta foi heróica, principalmente no segundo tempo, quando o lateral-direito Eduardo Arroz recebeu o cartão vermelho logo no início, e a Macaca, de virada, venceu o Guaratinguetá por 2 a 1, neste sábado à noite, no estádio professor Dario Rodrigues, em Guaratinguetá. Com isso, a Macaca garantiu a sua presença na final do Campeonato Paulista. Nenê fez o gol do time da casa; Luís Ricardo e Wanderley marcaram para a equipe de Campinas.A Ponte Preta agora aguarda o seu adversário na decisão do Paulistão, neste domingo, no clássico entre Palmeiras e São Paulo, às 16h, no Palestra Itália. Já o Guaratinguetá ainda não sabe se ficará fechado no segundo semestre ou se disputará a Série C do Campeonato Brasileiro.

Equilíbrio e pancadaria na torcida

O técnico Guilherme Macuglia demonstrou arrojo na escalação do Guaratinguetá. Ele trocou o esquema tático 3-5-2 pelo 4-4-2, com a entrada do meia ofensivo Nenê no lugar do zagueiro Thiago Gomes. O volante Magal atuou no setor direito e o time da casa partiu para o tudo ou nada diante da sua apaixonada torcida.

O Guará começou em cima da Ponte Preta, atacando principalmente pelo setor direito. Acuada na defesa, a Macaca partiu para o ataque somente em contra-ataques, valorizando a posse de bola. Animado, o time da casa perdeu uma grande chance de abrir o placar logo aos quatro minutos, com Alessandro, de cabeça, após cobrança de escanteio de Michael.

A Macaca deu o troco aos nove minutos, após cobrança de escanteio de Renato. Luís Ricardo aproveitou o rebote e chutou forte. Fábio fez boa defesa. O jogo ficou aberto, com chances de gols para os dois lados. Aos 23, Dinei cruzou e Alessandro, de cabeça, obrigou Aranha a mostrar serviço. No minuto seguinte, Danilo Neco encheu o pé na bola e o goleiro do Guará evitou o gol.

Enquanto as duas equipes mostravam competência dentro de campo, na arquibancada a torcida da Ponte Preta abusou da violência. Depois de brigarem entre si, os torcedores partiram para cima dos policiais militares. O tumulto foi generalizado, mas a PM conseguiu colocar a casa em ordem.

Com tamanho equilíbrio, dois gols, um para cada lado, surgiram em dois minutos. Aos 25, Michael lançou Nenê, que invadiu a área e tocou com categoria na saída de Aranha: 1 a 0 Guará. A Ponte Preta respondeu aos 27, após cobrança de escanteio de Renato, Luís Ricardo, de cabeça, deixou tudo igual: 1 a 1.

Melhor em campo na reta final do primeiro tempo, o Guaratinguetá perdeu grande chance de pular na frente do marcador. Aos 34, Alessandro passou por Eduardo Arroz e Bilica e ao invadir a área foi derrubado por Fabiano Campos. Pênalti, que, aos 35, Michael cobrou e Aranha espalmou a bola e fez uma defesa sensacional.

Segundo tempo

A Macaca voltou para a etapa final com o volante João Paulo na vaga do zagueiro César, machucado. E o jogo continuou equilibrado. Logo aos sete minutos, Renato, de fora da área, assustou o goleiro Fábio. O Guará retribuiu com cabeçada de Dinei, que levou perigo para o gol de Aranha.

Mas, aos 13 minutos, o lateral-direito Eduardo Arroz, que já havia recebido o cartão amarelo, cometeu falta em Jefferson e foi expulso. O técnico Sérgio Guedes sacou o atacante Danilo Neco e colocou Raulen na zaga. O Guaratinguetá tomou conta do jogo e o goleiro Aranha continuou fazendo uma grande defesa após a outra.

Aos 22 minutos, Jorge Henrique chutou de fora da área, Aranha espalmou, Alessandro apanhou o rebote e bateu forte. O goleiro da Macaca espalmou para escanteio. Nenê fez a cobrança, Dinei bateu de primeira e Aranha brilhou outra vez. Depois, Dinei, aos 26, 28 e 29, teve três chances cara a cara com o goleiro ponte-pretano, mas falhou nas finalizações.

A valente Ponte Preta, mesmo com um a menos, fez valer o velho e surrado ditado no mundo da bola. Quem não faz gol, toma. E o Guará levou após uma lambbança da dupla Jorge Henrique e Ale. Eles perderam a bola no meio-campo, Luís Ricardo arrancou com a bola dominada e tocou para Wanderley, que havia acabado de entrar em campo, na vaga de Renato, e virou o placar: 2 a 1.

Desanimado, o Guará ainda tentou partir para o tudo ou nada. Mas nas poucas chances que teve para chegar ao empate, o goleiro Aranha continuou fazendo grandes defesas.

Fonte: Globoesporte.com

Seja o primeiro à comentar em "Macaca do maranhense Bilica na decisão do Paulistão"