Maranhense Kléber Pereira desperta e salva o Santos

O técnico Emerson Leão e a torcida do Santos devem pagar um tributo ao atacante Kléber Pereira. Não fosse pelo artilheiro, o Alvinegro teria amargado outro péssimo resultado no Paulistão 2008. O atacante marcou o gol santista que garantiu a vitória sobre o Marília, por 1 a 0, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro. O jogo era feio de doer, mas a estrela o artilheiro brilhou e tirou o Peixe do sufoco. No fim, o time da Vila até teve chance de golear, mas perdeu chances impressionantes. Com o resultado, o time da Vila foi a oito pontos e deixou a zona de rebaixamento. O Marília, com nove, está em 11º lugar.

Primeiro tempo: Peixe cochila e Marília aperta

O Santos começou um pouco melhor e buscar o gol desde os primeiros segundos, quando Tiago Luís fez boa jogada pela direita e cruzou para Luiz Henrique escorar. O goleiro Mauro, ex-Peixe, estava em cima do lance e salvou o Marília.

Mas essa ânsia de buscar o gol para tentar aplacar a crise quase complica o Santos. Apesar do ímpeto inicial, a equipe continuava demonstrando os mesmos defeitos que colocaram a equipe entre os piores do Paulistão: problemas na saída de bola e na defesa. Apesar do trio de zagueiros, o time é vulnerável, pois marca mal.

Isso ficou evidente logo aos oito minutos, quando Adaílton furou e deu chance para Wellington Silva marcar. Mas Fábio Costa, atento, conseguiu espalmar e Betão mandou para escanteio.

Após esse susto, os santistas intensificaram o ataque e quase abriram o placar aos nove minutos, quando Dênis cruzou da direita para Kléber Pereira, que dominou dentro da área e chutou forte. A bola bateu na trave.
Após esses lances inicias, o jogo se arrastou num festival de chutões e faltas até que, a partir dos 30 minutos, o Marília passou a dominar o jogo. O Peixe começou a demonstrar o descontrole que se tornou habitual neste Paulistão. Uma pane abateu o time santista, que passou a ser ameçado sem conseguir reagir.

A exemplo do que aconteceu contra o Barueri, na quinta-feira passada, quando o Peixe perdeu por 2 a 0, parecia que, quem jogava em casa, na condição de bicampeão paulista era o time do interior. Para sorte dos alvinegros, o Marília, embora tenha criado chances, não teve qualidade na hora de concluir.

Gol salvador e chances perdidas

Se o primeiro tempo já não foi lá essas coisas, o segundo tempo começou ainda pior. A bola sofreu com os passes errados, os bicões, as jogadas sem nenhuma criatividade. A torcida santista também sofreu. Os poucos mais de três mil torcedores que foram à Vila Belmiro começaram a vaiar o time a partir dos 15 minutos da etapa final.

A manifestação da torcida ajudou a enervar os jogadores alvinegros. Aos 15 minutos, Fábio Costa fez grande defesa em chute de Wellington Silva. A principal chance santista só saiu aos 22, quando Alemão pegou a sobra, livre, mas chutou por cima.

Um lance aos 26 minutos provou que a fase do Santos não é nada boa. Kléber Pereira cruzou da esquerda. Tabata perdeu a primeira chance e na sobra, Alemão chutou em cima de Mauro. Uma chance clara desperdiçada.

Quando o jogo se encaminhava para um melancólico trágico 0 a 0, brilhou a estrela do artilheiro. Dizer que Kléber Pereira fez uma boa partida seria demais. A não ser pela bola que acertou na trave no primeiro tempo, o camisa 9 não fez nada importante. Até que, aos 33, o zagueiro Vinícius, do Marília, furou bisonhamente e a bola sobrou para Kléber chutar de bico, por baixo de Mauro. Ufa! A torcida santista respirou aliviada.

O gol animou os santistas que tiveram chance até para ampliar. Mas Tabata perdeu um gol incrível aos 41. Ele recebeu livre na esquerda, invadiu a área, mas demorou demais para chutar e acabou parando no goleiro. O jogo mudou. Com o Marília escancarado, o Peixe passou a bombardear, mas sem acertar o alvo. Aos 42, Alemão com o gol aberto à sua frente, acertou a trave. Aos 43, Tiago Luís, também pela esquerda, chutou forte, mas em cima do goleiro.

Fonte: Globoesporte.com

Uma resposta para "Maranhense Kléber Pereira desperta e salva o Santos"

  • Motense

    Acho que o Kléber deveria trocar o nome para “Kléber Maranhense”.