Repercussão

Vacilo do Imperatriz ressuscita a Tuna

Leia matéria do jornal O Liberal

Uma luz no fim do túnel. A Tuna Luso, que foi eliminada da Série C do Brasileiro ao cair diante do Imperatriz, no último domingo, por 2 a 1, tem grandes chances de voltar a disputar o campeonato. Ontem, a Federação Paraense de Futebol (FPF) foi informada pelo diretor técnico Virgílio Elísio, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que o time maranhense, um dos dois classificados do grupo 17 à terceira fase da Terceirona, utilizou o volante Rossini de forma irregular na competição. O atleta teria atuado com o terceiro cartão amarelo no empate, por 2 a 2, com o Sampaio Corrêa, em São Luis-MA, na última quarta-feira.

O jogador foi punido com cartão amarelo nos jogos contra o Paysandu, Ananindeua e Rio Branco. Automaticamente, Rossini deveria cumprir suspensão de uma partida, conforme determina a regulamentação do Brasileiro. Todavia, ele participou normalmente do clássico maranhense contra o Bolívia, como é chamado o Sampaio, na última quarta-feira, pela penúltima rodada da segunda fase da Terceirona.

Caso seja punido por utilizar o atleta, o que é provável, segundo Virgílio Elísio, o Imperatriz perderá seis pontos. Com isso, o Cavalo de Aço passaria a somar quatro pontos, sendo superado pela Tuna Luso, que encerrou sua participação na segunda fase com oito pontos no grupo 17. O julgamento do ‘caso Rossini’ pela 3ª comissão disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), em princípio, está programada para quinta-feira, 6, no Rio de Janeiro.

A CBF informou em seu site que vai aguardar pelo resultado do julgamento para divulgar a tabela dos jogos do grupo em que estará a Lusa ou o Imperatriz. O diretor técnico da FPF, Paulo Romano, informou que conversou com Virgílio Elísio, por telefone, quando foi informado que a Tuna Luso conta com grandes chances de permanecer no campeonato.

‘O Virgílio me falou que as chances são de 99% de a Tuna continuar disputando a competição’, declarou.

A diretoria cruzmaltina deve contratar os serviços de um advogado no Rio de Janeiro, a fim de que este acompanhe o julgamento da quinta-feira.

A possibilidade de o time voltar a disputar a Série C deixou o técnico Carlos Lucena eufórico. O treinador havia marcado a reapresentação do time para amanhã, mas ao ser comunicado do julgamento do ‘caso Rossini’ antecipou a volta para hoje pela manhã, no Souza.

‘Vamos continuar trabalhando, torcendo para que tudo dê certo no julgamento e o Imperatriz seja punido pelo tribunal’, disse.

Pairam suspeitas também sobre Hallace. Mas CBF liberou o jogador

Caso perca os pontos e seja eliminado da Série C, o Imperatriz está pronto para dar um abraço fatal na Tuna, alegando que o time paraense também atuou com um jogador irregular: Hallace, ex-atleta do Bragantino. O regulamento proíbe a utilização de jogador que já tenha atuado em competição nacional no mesmo ano.

A denúncia nem faz cócegas na Tuna. Segundo o supervisor de futebol da Lusa, João Bosco, antes de lançar mão de Hallace o clube fez uma consulta à Confederação Brasileira de Futebol. Foi informado pela sra. Cleoni, do Departamento de Registro da CBF, que o jogador tinha condições plenas de jogo. O nome dele foi até incluído no Boletim Informativo Diario (BID), o que deixa o atleta apto a jogar.

Hallace foi de fato escalado pelo Bragantino contra o Sertãozinho, quando o time disputava a Série C, mas ficou no banco. Alega ainda o dirigente tunante que um atleta pode ser transferido mesmo tendo jogado até três partidas.

Os demais jogos de Wallace pelo Bragantino, neste ano, foram pela Copa Federação, em quatro partidas, mas como não se trata de competição nacional não existe qualquer risco de problemas.

O próprio jogador também tranquiliza a Tuna, afirmando que não foi expulso, nem recebeu cartão amarelo em quaisquer competições, não havendo contra ele qualquer punição pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Caso houvesse, seria esta uma argumentação certa do Imperatriz para derrubar as pretensões dos tunantes de voltar à competição.

Para se certificar ainda mais de que não poderá ser prejudicada pela escalação de Hallace, a Tuna consultou o departamento técnico da Federação Paraense de Futebol. O diretor Juarez Scotta garantiu que há um documento da CBF dando sinal verde para a utilização de Hallace.

Uma resposta para "Repercussão"

  • Anônimo

    Prezado Zeca Soares,

    Evidentemente o jogador Hallace foi liberado pela CBF para a Tuna Luso, mas daí a ele disputar a mesma competição, a terceira divisão, já é um problema da Tuna.
    A responsabilidade é da Tuna em escalá-lo na competição que bem entender. Entretanto não devia este jogador ser escalado na série C, mas a apenas em outra competição.
    E o fato de o atleta poder jogar até três partidas por outro clube, diz respeito a jogar em outra série, no caso, a “A” e a “B”, jamais na mesma série “C”.
    Portanto, corre logo Zé ALberto…
    vamos aos bastidores, ao nosso amigo, Dr. Fernando Sarney, vice-presidente da CBF e que se faça JUSTIÇA!
    AVE SÃO PANTALEÃO!