Democratização da comunicação

Uma série de atividades marcará, até o dia 25, a 3ª Semana Nacional pela Democratização da Comunicação. Promovido por organizações não-governamentais e entidades ligadas a movimentos sociais, o evento ocorre em diversas capitais. Por meio de debates, palestras, exibição de vídeos e oficinas, os organizadores pretendem abrir um diálogo com a sociedade em torno do estímulo aos meios alternativos de comunicação.

Neste ano, a escolha do padrão japonês de TV digital será um dos principais temas dos debates. “Apesar das possibilidades trazidas pela nova tecnologia, a definição do sistema foi um processo que atendeu apenas aos interesses dos radiodifusores”, avaliou Bráulio Ribeiro, membro do Coletivo Intervozes, uma das entidades organizadoras da Semana no Distrito Federal.

A concentração da propriedade dos veículos será outro tópico central nas atividades. Para os organizadores da Semana, o monopólio dos meios de comunicação representa um dos principais obstáculos ao exercício pleno da liberdade de expressão. “A gente só vai alcançar um nível verdadeiro de democracia quando as várias opiniões e discursos estiverem inseridos na arena das comunicações”, explicou Bráulio Ribeiro.

Em Brasília, os principais temas dos debates serão o controle público da mídia e o combate à criminalização dos movimentos sociais. As atividades ocorrem a partir da noite de hoje (17) em faculdades e pontos culturais do Distrito Federal.

Em Vitória, o impasse entre os indígenas do Espírito Santo e a indústria de celulose Aracruz será tema de seminário. Em São Paulo, a partir de amanhã (18), o foco das discussões será o comportamento da mídia na cobertura das eleições. Também será entregue o 28º Prêmio Vladimir Herzog, para jornalistas que se destacaram na cobertura dos direitos humanos.

Um ato público marcará a semana, em Recife (PE). E também estão previstas atividades em Salvador (BA) e São Luís (MA).

A programação completa pode ser conferida na internet, no endereço
www.ciranda.net/sedeco.

Fonte: Agência Brasil

Seja o primeiro à comentar em "Democratização da comunicação"